Início Notícias Agricultores de Altamira têm suas terras “interditadas” à revelia e ocupam Funai

Agricultores de Altamira têm suas terras “interditadas” à revelia e ocupam Funai

Nesta segunda (25), cerca de 100 moradores da Gleba do Bacajaí ocuparam, por quatro horas, a sede da Fundação Nacional do Índio (Funai), em Altamira, no Pará. Da gleba até a cidade, os agricultores viajaram por 12 horas de barco para protestar contra um processo de invasão e interdição de suas terras por homens armados.

A gleba faz divisa com Wangã, a Terra Indígena (TI) Arara da Volta Grande, que deve ser demarcada antes do início das obras da usina de Belo Monte. Cerca de 200 famílias estão hoje neste território.

“Nos sentimos violados”, conta o presidente da Associação dos Produtores Rurais das Glebas de Ituna, Bacajá e Bacajaí (Apribaí), Edinaldo Silva Campos. “Nenhum morador, nem sequer a Associação foi notificada”, diz. Diversos moradores que preferiram não se identificar contaram com detalhes o emplacamento de suas propriedades. “Eles entraram armados e sem nenhuma identificação, sem explicar nada. Quando percebemos, já estavam colocando a placa: interditado”, relataram os agricultores.

Segundo Edinaldo, desde 1972 já existem agricultores vivendo na área, sob os auspícios do Instituto de Terras do Pará (Iterpa). “Agora, eles querem homologar a reserva imediatamente e não pagar as indenizações de quem está ali. Não somos contra a reserva, mas queremos ser indenizados – e de acordo com a lei, com tudo o que temos direito.
Pastagens, animais, plantações… A terra é a nossa vida”, concluiu.

Segundo os Moradores da gleba, suspeita-se que a “interdição” de suas áreas é parte do cumprimento de condicionantes de Belo Monte, mas eles não foram procurados por nenhum órgão que fornecesse maiores explicações. “Tem gente lá há 40 anos, e faz quase dez que começaram os estudos [da Funai]… Nunca nos entregaram um relatório, e agora querem nos expulsar de lá. Com certeza tem a ver com a barragem”, contaram os moradores.

A Polícia Federal (PF), que foi chamada em função da ocupação da Funai, acabou negociando uma reunião entre a Apribaí e o órgão para o próximo dia 27 devido à ausência do superintendente da Funai nesta segunda. “Faltou um pouco de comunicação entre a empresa que está fazendo a demarcação e vocês”, declarou o delegado da Polícia Federal, Mário Sérgio, aos agricultores presentes. Segundo ele, a empresa contratada para executar o serviço iniciou a demarcação física do território indígena sem que os atuais ocupantes tivessem conhecimento. “Eles ficaram surpresos com a empresa já fazendo picada no meio das suas terras”, explicou o delegado.

De acordo com Mário, “quem está lá de boa-fé será indenizado”. Por boa-fé, entenda-se: quem está lá antes da declaração da terra indígena, em 2005, terá direito à indenização. “Quem chegou depois, está fora”, afirmou.

“Na etapa do levantamento fundiário é que ocorrerão as indenizações, quando será considerado o que foi produzido e construído na terra. Ainda não estamos nesta etapa, então não é o momento de retirada”, explicou o delegado.

4 COMENTÁRIOS

  1. Este é o governo brasileiro Ditador obsecado pela destruição do Rio Xingu e dos povos, quer o Complexo de barragens belo monte a qualquer custo. Este governo e seus antecessores sempre trataram os povos indigenas com politicas de genocidio, aos demais povos ribeirinhos, agricultores, pescadores, comunidades das cidades e do campo o tratamento é expulsão de suas casas e propiedades, fome, miseria , doenças torturas psicologicas desagregação familiar, morte de culturas crenças…….. Desenvolvimento, Respeito, direitos humanos e socios ambientais, são temas que não contam nestes projetos nefastos do PAC nem pelo governo federal dono dos projetos e tão pouco por seus grupos capitalistas,empresas empreiteras e Consorcios. Estamos assistindo o mesmo filme que aconteceu em Tucuruí, este filme acontecendo em Porto Velho com as barragens de Jirau e Santo Antonio,com continuidade em Altamira e região da Tansamazônica e Xingu. Levantemos-nos povos Amazônidas! Na união e luta pela vida somos mais fortes diante dos projetos de morte do governo! Não nos curvaremos jamais!

  2. Ultimamente as pessoas só tem visto o dinheiro, mas e a floresta? Ninguém vai indenizá-la? Os animais que vivem nela estavam desde antes da descoberta e mesmo assim pretendem expulsá-los. Essa indústria é realmente um projeto ridículo.

  3. isso que estão fazendo com esse povo do xingu é muita humilhaçao falta de respeito com essa populaçao e a natureza e os animais que ali habitam.governo abri os olhos?

  4. As an anthropology stnuedt, I was excited to hear that some cultures remain untouched by outsiders. However, the ethical issues surrounded by making contact are sure to be the forefront of news to come. Personally, I have mixed feelings about the manner

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Ação Cautelar da Defensoria Pública suspende licenciamento de Belo Sun

Em decisão favorável à Ação Cautelar proposta pela Defensoria Pública do Estado, foi garantida a suspensão da licença de instalação do Projeto de Mineração...

Assassinada há 15 anos, Dorothy Stang segue inspirando resistencias em Anapu

Nesta quarta, 12 de fevereiro, completaram-se 15 anos do assassinato da Irmã Dorothy Stang, contratado por um consórcio de fazendeiros que atuavam...

MPF amplia pedidos à Justiça e quer cancelamento de processos minerários em terras indígenas de todo Pará

MPF/PA- O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação com pedido urgente para que a Justiça Federal em Marabá (PA) cancele...

Mineração em terras indígenas: a proposta do governo Bolsonaro em 10 perguntas e respostas

Cristiane Prizibisczki, O Eco - O presidente Jair Bolsonaro assinou, na última quarta-feira (5), o PL 191/2020, que regulamenta a exploração...