Início Notícias Canteiros de obra de Belo Monte são incendiados e destruídos

Canteiros de obra de Belo Monte são incendiados e destruídos

Os canteiros de obra Belo Monte e Pimental, os dois mais importantes da hidrelétrica, foram palco de revolta de operários nesta sexta (9) e sábado (10) em função de problemas trabalhistas e desacordos com a proposta de aumento salarial apresentado pelo Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM).

A primeira ação ocorreu na noite de sexta, quando foram incendiados quatro galpões do almoxarifado após a informação de que o aumento proposto pela empresa seria de apenas 7% (veja video do incêndio).

Já no sábado, os protestos tomaram conta do canteiro de Pimental, que, de acordo com uma liderança dos trabalhadores, teve instalações e alojamentos destruídos. “Por volta das 16 h, o Sindicato da Construção Pesada do Pará (Sintrapav) foi ao Pimental e anunciou que havia fechado um acordo com o CCBM de aumento de 11%. Em nenhum momento esta proposta foi discutida com as bases, foi um acordo a portas fechadas entre sindicato e empresa, e os operários se revoltaram. Aí houve um quebra geral”, explica o trabalhador Emiliano de Oliveira.

De acordo com Oliveira, o sindicato foi expulso do canteiro juntamente com toda a equipe administrativa do Sitio Pimental, mas houve uma rápida intervenção da Polícia Militar e da Força Nacional de Segurança. “Ocorreram prisões e sabemos que há trabalhadores feridos, mas estamos sem nenhum apoio do sindicato e não sabemos quantos são, quem são e onde estão”, afirma o trabalhador.

Reivindicações
Segundo os trabalhadores, a categoria tem três reivindicações principais, que não foram negociadas ainda pelo sindicato: aumento salarial acima do oferecido – já que, segundo a categoria, a inflação em Altamira chegou aos 30% em 2012 -, equiparação salarial entre os canteiros de obras – há denúncias de que operários com a mesma função recebem salários diferentes nos canteiros de Pimental e Belo Monte -, e mudança de regras da baixada (folga para visitar as famílias). “O aumento que estão oferecendo é ridículo. Pode até ser que a inflação no país tenha sido de cerca de 5%, mas em Altamira a coisa é diferente. Um prato feito chega a custar 17 reais. A situação está catastrófica, os preços estão estratosféricos”, diz um trabalhador.

Sem solução desde as paralisações do início deste ano, de acordo com os operários de Belo Monte a baixada continua diferenciada em relação às demais obras do PAC. “Enquanto em todas as demais obras a baixada de 10 dias acontece a cada três meses, em Belo Monte eles só nos liberam de meio em meio ano. Também só têm baixada os profissionais como pedreiro, motorista, carpinteiro. Ajudantes e serventes não têm esse direito. E agora o CCBM quer mudar as regras e só pagar passagem de avião pra quem mora a mais de 1500 km de Belo Monte. Os outros teriam que ir de ônibus, o que só de ida e volta come mais da matade da baixada, em muitos casos”, explica Oliveira.

Clima tenso
Segundo os trabalhadores, as forças policiais continuam guardando o canteiro de Pimental, mas o CCBM já teria avisado que todos os operários devem retomar as atividades nesta segunda, sob pena de demissão sumária. “O problema é que Pimental está destruído, não tem como trabalhar. Na prática o canteiro já está em greve. Mas o clima está muito pesado, helicópteros da policia sobrevoam seguidamente a cidade de Altamira, e estamos sem proteção nenhuma do sindicato”, afirma um trabalhador. Segundo lideranças da categoria, ainda não há uma posição oficial do sindicato frente às reivindicações dos operários, e não está descartada uma greve geral a partir desta semana.

7 COMENTÁRIOS

  1. Pois é, enquanto os indios aceitam comodidades e saem do canteiros felizes e satisfeitos com a nova vida no sistema, sao os operarios que fazem o que deve ser feito. Ainda que a revolta seja por outros motivos, souberam mostrar bem o que faz quem quer mostrar algo e chegar a algum lugar.
    Historieta de que indio guerreia pela natureza, o povo do Xingu é uma farsa chantagista.
    E digo isso por em absoluto ser contra a construçao desta hidroelétrica! Imagine os que sao a favor, o que nao pensam sobre tanta covardia e acomodaçao!!
    Quem fala de mais e age de menos pelos proprios interesses… Os indios têm viajado muito por ai, falando e falando mais………….

    • Violência é o que estão fazendo a vida das pessoas, pq o governo está fazendo a esta obra a qualquer custo, que se danem os prejuízos sociais e ambientais que está trazendo. VIVA XINGU E MORRA BELO MONSTRO!!!!

  2. Nossa Eñtão a coisa na CCBM ta mais seria do que o imaginado. só acho que com violencia esta greve nao vai chegar a lugar nenhum. sobre a baixada acho que é Direitos iguais e é um direito do trabalhado tanto Ajudantes e serventes como pedreiro, motorista, carpinteiro deve ser iguais. totos de avião.

    (Minha opinião)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...

Projeto de mineração Belo Sun é inviável, aponta estudo técnico

Em apenas sete minutos, um volume de aproximadamente 9 milhões de metros cúbicos de rejeitos tóxicos podem atingir o rio Xingu, no...

Covid 19: dois mortes e 65 indígenas contaminados em Altamira, 3 em Anapu e 11 em Vitória do Xingu

Jose Carlos Arara, liderança da aldeia Arara da Volta Grande do Xingu, faleceu na ultima terça, 9, vitima do coronavirus

Nota de pesar e solidariedade: José Carlos Arara encantou

O Movimento Xingu Vivo para Sempre expressa a todas e todos, especialmente aos indígenas do Médio Xingu, extremo pesar pelo falecimento de...