Início Notícias Cinco povos e os rumos dos rios na Amazônia

Cinco povos e os rumos dos rios na Amazônia

Cachoeira do Jericoa, rio Xingu (foto: Verena Glass)

Por Verena Glass
O desmatamento na Amazônia extirpou 18% de suas florestas nos últimos 30 anos. A conclusão foi divulgada recentemente pelo projeto Mapbiomas, que vem fazendo um mapeamento sistemático dos biomas brasileiros em parceria com diversas universidades e instituições de pesquisa. Para as populações indígenas e tradicionais, a perda da vegetação nativa já trouxe mudanças sensíveis ao clima da região, mas uma das preocupações mais agudas é o impacto sobre as bacias hidrográficas, que sofrem não apenas com a perda das matas ciliares, mas com uma exploração cada vez maior e desordenada por grandes projetos de mineração, agropecuária, barragens e hidrovias.

No final de 2018, o governo do Pará deu início aos procedimentos legais para a criação do Comitê de Bacias do Estado, e desde abril de 2019 iniciou uma série de audiências públicas para supostamente promover uma participação ampla da sociedade civil no debate. A primeira audiência, ocorrida em Altamir, no entanto, foi duramente criticada por falta de embasamento cientifico e participação das populações interessadas.

De acordo com organizações e movimentos sociais e indígenas de vários estados da Amazônia, o desmonte da legislação de proteção ambiental pelo governo Bolsonaro, os ataques a Unidades de Conservação e Terras Indígenas e quilombolas, e as manifestações favoráveis a projetos de superexploração dos bens naturais do bioma – megamineração, expansão da agropecuária, novas hidrelétricas, etc – apontam para um caráter regulador do avanços de megaprojetos sobre a região, inclusive por meio dos programas de gestão hídrica e comitês de bacia.

A partir desta leitura, tem crescido entre os movimentos o debate sobre a organização de comitês populares de bacias hidrográficas. Na última semana, foi realizado o primeiro seminário “BACIAS HIDROGRÁFICAS NA AMAZÔNIA: O sagrado e a defesa dos rios dos povos das águas”, com participação de cinco povos indígenas – Munduruku, Kumaruara e Borari (PA) e Ka’apor e Guajajara (MA) -, além de representantes de movimentos sociais, quilombolas e beiradeiros..

De acordo com Dion Monteiro, do Movimento Xingu Vivo para Sempre – um dos articuladores do Comitê Popular de Bacias no Pará -, o seminário buscou socializa a leitura dos povos indígenas acerca dos rios, partindo da sua cosmovisão: como os rios interagem de forma mística e metafísica com esses povos e como atendem às suas necessidades. “O evento abordou as ameaças que os rios sofrem a partir da mineração, dos detritos despejados, mas principalmente tentou trabalhar as bacias hidrográficas a partir do ponto de vista de como a os povos indígenas entendem o rio nessa relação de integração, de unidade. A tentativa era de apresentar a importância do rio e das bacias hidrográficas a partir de uma outra perspectiva, a partir de uma relação que trata o rio não como fonte de energia ou transporte de mercadoria, de soja, de minério, etc”, explicou Dion.

Também foram discutidos os projetos dos governos locais e fedais dos últimos anos para a Amazônia. De acordo com Dion, concluiu-se que todos os governos que vieram nesse último período apresentaram propostas desenvolvimentista ou liberais a favor do capital nacional e do capital internacional. Mas a mesa também apresentou a necessidade de que os povos indígenas avancem nos seus projetos de autonomia e de autogoverno. “Algumas lideranças falaram de seus projetos de proteção do território; da autodemarcação; da fixação de guardiões florestais. Outros povos falaram sobre a sua experiência de autonomia a partir do seu plano de vida, da sua autogestão territorial, da sua autonomia nos projetos de educação e de saúde, mas também de segurança”.

Por fim, os participantes do seminário elaboraram um documento conjunto que foi divulgado no Brasil e no exterior, e pontua tanto seus posicionamentos quanto demandas.

Leia na íntegra a carta do encontro, ocorrido na UFOPA, Santarém (PA), nos dias 27 e 28 de abril de 2019

SEMINÁRIO “BACIAS HIDROGRÁFICAS NA AMAZÔNIA: O sagrado e a defesa dos rios dos povos das águas”

Nós, participantes do Seminário “Bacias Hidrográficas na Amazônia: O sagrado e a defesa dos rios dos povos das águas”, após dois dias reunidos na Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, consideramos,

Houve um tempo onde mulheres, homens, crianças e anciãos vivam em harmonia com a floresta, com os rios, com as aves, com os peixes, com os animais, enfim, com a natureza. Isso ocorreu há 519 anos. Desse tempo para cá, tudo mudou, os peixes foram respirar em outros lugares, a cutia, a anta, a paca, o porcão, demoram muito mais a nos visitar. Os pássaros estão cantando mais baixinho, parece que perderam um pouco da sua alegria.

Ouvimos falar que em outros países e continentes as águas não são mais as mesmas, cresceram e se revoltaram em lugares onde antes viviam tranquilas, levando consigo culturas e tradições, e sumiram de locais onde antes eram abundantes. Aqui, na Bacia do Rio Tapajós, às coisas também já estão mudando, as águas dos rios estão doentes e as pessoas também têm adoecido juntas com elas. As mineradoras e suas dragas, os madeireiros, os barrageiros chegaram e tentam nos enganar com mentiras e migalhas. Tentam apagar nossa memória, tentam apagar nossa história. Para onde vão os espíritos que ali viviam?

Para os governos e grandes empreendedores as águas de nossos rios são apenas fonte de energia, fazendo as turbinas das hidrelétricas funcionarem, transportando soja, minério, madeira, matando a mãe dos peixes, matando nossos sonhos, destruindo nossa vida. O Estado brasileiro, amigo das empresas, busca exterminar os povos indígenas, os quilombolas, os povos tradicionais, os povos dos rios, os povos das florestas.

Com tudo isso, resolvemos:

  • Ampliar os processos de intercambio e trocas de experiências entre os povos presentes no seminário, e outros parentes que não estiveram presentes no mesmo;
  • Demandar à UFOPA e realização de eventos que propiciem o encontro e discussão entre lideranças e estudantes indígenas;
  • Articular com as diversas entidades de defesa dos direitos humanos a proteção e segurança das lideranças ameaçadas de morte em sua ação de defesa do território;
  • Cobrar dos órgãos responsáveis e proteção aos Awa-Guajá de recente contato, bem como dos isolados que se encontram em situação de vulnerabilidade, tendo seu território invadido;
  • Denunciar a Prefeitura de São João do Caru em decorrência da contaminação do rio Caru, com lixo hospitalar.
  • Suspender imediatamente qualquer projeto de mineração que afetem rios e terras indígenas na Amazônia
  • Realizar consultas prévias, nos moldes da convenção 169 da OIT, antes de iniciar qualquer estudo para implantação de projetos, em áreas indígenas, extrativistas, quilombolas, e seu entorno, garantindo ainda o direito de veto ao projeto, por parte dessas populações.

Assinam:
Associação de Mulheres Indígenas Munduruku – Wakomboru
Associação Indígena Wizaru – Guerreiras da Floresta
Associação Indígena Paririp do povo Munduruku do Médio Tapajós
Conselho Indígena Tapajós Arapiuns – Departamento de Mulheres
Conselho de Gestão do Povo Ka’apor
Associação Indígena Borari de Alter do Chão

Apoiadores
Fórum da Amazônia Oriental
Movimento Xingu Vivo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...

Projeto de mineração Belo Sun é inviável, aponta estudo técnico

Em apenas sete minutos, um volume de aproximadamente 9 milhões de metros cúbicos de rejeitos tóxicos podem atingir o rio Xingu, no...