Início Notícias Na reta final, agenda verde perde peso na campanha presidencial

Na reta final, agenda verde perde peso na campanha presidencial

Com a saída de Marina Silva (PV) da corrida presidencial e a disputa entre dois candidatos cujas principais propostas não estão baseadas na bandeira da sustentabilidade, a agenda verde perdeu peso no segundo turno da campanha eleitoral (UOL Eleições, Andréia Martins, 25.10.2010).

Ao longo da campanha, Serra fez chegar ao público propostas ligadas a economia, segurança e saúde enquanto Dilma bateu na tecla do acesso aos bens de consumo e do continuísmo da política e dos programas sociais do governo Lula.

O meio ambiente e assuntos como a exploração do pré-sal, a construção da usina de Belo Monte e o novo Código Florestal, ganharam espaço mais considerável na agenda dos presidenciáveis apenas nas duas primeiras semanas após o primeiro turno. Tucanos e petistas disputavam a preferência de Marina – que teve 20 milhões de votos no primeiro turno – e do PV, que acabaram se declarando independentes. Depois, a agenda verde perdeu peso.

“Ficou um espaço muito pequeno ou em branco [para o meio ambiente]. Não tem compromisso. Não há nenhuma proposta concreta, nenhuma agenda mais clara”, avalia Márcio Astrini, coordenador do projeto Amazônia, do Greenpeace.

Nessa semana, a organização apresentou aos dois presidenciáveis – a Dilma, em Brasília, e a Serra, em Ponta Grossa – uma carta com propostas relacionadas ao meio ambiente. Nenhum dos dois candidatos assinou a carta.

Já o economista e conselheiro da ONG WWF, José Eli da Veiga, da FEA-USP, avalia que “programaticamente, não há diferenças entre as candidaturas do segundo turno” na área.

“Eu não avalio o espaço dado à discussão do meio ambiente pelas respostas dadas ao programa apresentado pelo PV”, diz o economista ao comentar que ambas as campanhas, tanto a de Serra quanto a de Dilma, se negaram a assinar o compromisso de “por fim aos leilões das termoelétricas de óleo diesel e carvão mineral e aos investimentos em energia nuclear depois da construção de Angra 3”. “É a insustentabilidade como proposta de campanha”, completa Eli.

Código Florestal: concordância entre os presidenciáveis

Dentre os temas que mais ganharam destaque na campanha, na área do meio ambiente, como a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, a exploração do Pré-Sal e o novo Código Florestal, este último foi o único sobre o qual os presidenciáveis se posicionaram.

As mudanças no código geraram críticas por parte de ambientalistas. Entre as principais estão anistia a agricultores que desmataram até 2009, a redução da distância mínima da área de preservação permanente (APPs) até a margem de rios e a inclusão dessas APPs na soma para o cálculo da área mínima de reserva legal em propriedades rurais. Tanto Dilma quanto Serra concordaram com os pontos apresentados pelos ambientalistas e se posicionaram publicamente sobre o assunto.

“É o único tema que entrou na pauta porque envolve o eleitorado, políticos e patrocinadores de campanha que, por exemplo, têm problemas com o Ibama em seus negócios”, diz Astrini.

Com relação aos outros temas, o tucano questionou a “falta de transparência” na construção de Belo Monte, sem destacar o caráter ambiental da obra, e fez o mesmo com o pré-sal, dando mais destaque à distribuição dos royalties do petróleo aos Estados do que o modo de exploração. No segundo turno, ao receber apoio dos verdes Fernando Gabeira (PV-RJ) e Fábio Feldman (PV-SP), na última semana, prometeu “rever” pontos polêmicos de Belo Monte.

Já Dilma, defendeu a obra da nova hidrelétrica – capitaneada pelos recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) – e o pré-sal, alegando que ele vai trazer recursos financeiros para educação, segurança, saúde, entre outros.

Meio ambiente não é elemento decisivo

“A questão não é reconhecer se o tema é importante, mas sim o quanto ela é importante para você”, diz o coordenador de projetos do Greenpeace. Para ele, “é difícil colocar o problema do desmatamento na Amazônia num prato de comida de quem está aqui em São Paulo”. “Tem de haver uma tradução cotidiana do assunto”.

Mesmo com o pouco espaço dedicado ao tema, Astrini acredita que o assunto ganhará mais destaque. “Mas não é um assunto que vai definir uma eleição”, diz ele, que completa: “e ainda temos temas imbatíveis na campanha, como a bexiga d’água, a fita crepe, aborto, Paulo Preto, assuntos que trancam a pauta”.

Para Veiga, a “agenda socioambiental” só vai atingir o eleitorado quando outras questões básicas forem atendidas. “O Brasil tem problemas de esgoto, por exemplo. Como você vai chegar a uma favela e falar de aquecimento global para alguém que não tem saneamento básico?”, questiona.

O economista ainda acrescenta que mesmo no caso de Marina, os 20 milhões de eleitores não foram motivados pela agenda verde. “Apenas 10% desse eleitorado é muito vinculado ao tema. O resto se deve a outros fatores”.

Desafios do próximo governo

Para Márcio Astrini, o principal desafio do próximo presidente será ajustar o “modelo de desenvolvimento”. “Ela [a questão ambiental] pode não ter chegado ao eleitor, mas chegou aos negócios. O Brasil hoje é o maior exportador de carne e muitos empresários estão com problemas no modelo de negócio, devido às regras ambientais”, disse o coordenador de projeto.

Além disso, há também questões como a hidrelétrica de Belo Monte e a exploração do Pré-Sal. “Belo Monte é só um exemplo de uma obra de impacto grande e com uma solução pífia”, diz Astrini. Sobre o petróleo, ele argumenta que o Brasil está atrasado em relação ao resto do mundo.

“Estamos investindo em petróleo enquanto o mundo está caminhando para outra matriz energética. O Brasil tem condição de dar um banho investindo em energia solar e eólica”, comenta. Para ele, o grande desafio do próximo presidente é provar “quanto desse esperado retorno do pré-sal irá de fato para [investimento em] novas energias”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Um balanço da situação da Amazônia sob Bolsonaro em tempos da Covid 19

Por Rosa AcevedoNesse momento, alguém morre e será enterrado como mais uma nova vítima da COVID 19 na Amazônia. Milhões sentem os...

Protesto contra Norte Energia na Transamazônica termina com demandas enviadas ao MPF

Depois de cinco dias de ocupação e trancamento da Transamazônica na altura do km 27, a manifestação de pescadores, ribeirinhos, agricultores e...

Amazon Communities Protest to Maintain the Xingu River Alive

Foto: Lilo Clareto This Monday morning (11/09), over 150 representatives of fishermen, riverbank communities, family farmers and the...

Comunidades de 5 municípios trancam a Transamazônica por liberação de água no Xingu

Na manhã desta segunda, 9, cerca de 150 pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas Curuaya e Xipaya dos municípios de Altamira, Senador...