Início Notícias Ameaçados por barragens no rio Teles Pires (MT) fazem protesto em Sinop

Ameaçados por barragens no rio Teles Pires (MT) fazem protesto em Sinop

O primeiro ato público do recém-criado Fórum Teles Pires Vivo foi uma passeata pelo centro de Sinop (MT), dia 12 de novembro, em protesto contra a construção da hidrelétrica Sinop. O Fórum foi fundado por 21 movimentos sociais durante o seminário Amazônia em Debate que se realizou essa semana na cidade.

O Fórum se posiciona contra a série de hidrelétricas planejadas nos rios Teles Pires e Tapajós, da qual a UHE Sinop faz parte. Isso por causa dos desastrosos e irreversíveis impactos sócio-ambientais para a região. Seria a morte dos rios Teles Pires e Tapajós.

A caminhada contou com a participação de aproximadamente 350 representantes das entidades e comunidades envolvidas, como pescadores, camponeses e retireiros, educadores, estudantes, além de representantes de dez povos indígenas.

Cancelamento das audiências
Uma exigência imediata do Fórum, expressa na caminhada de hoje à tarde, é o cancelamento das audiências públicas referente à construção da hidrelétrica Sinop. As audiências foram anunciadas na semana passada e já se realizarão entre os dias 16 e 23. As entidades membros do Fórum consideram que não há tempo suficiente para que a população se informe e prepare para as audiências.

De fato, também o Ministério Público Federal entrou com ação contra as audiências, pedindo sua anulação.

Preocupação
Na caminhada pelo centro de Sinop, os aproximadamente 350 participantes passaram primeiro na Justiça Federal da cidade. Lá, o professor Carlos Sanches, da Universidade Federal de Mato Grosso/ANDES – Pantanal, entregou, em nome das entidades reunidas no Fórum, um documento ao juiz responsável Dr. Murilo Mendes, reforçando o pedido de cancelamento das audiências.

Depois a caminhada continuou rumo à prefeitura, onde participantes tiveram uma conversa com o prefeito e o secretário do meio-ambiente. Estes expressaram que também estariam preocupados e insatisfeitos com o Estudo do Impacto Ambiental da usina. Confirmaram, ainda, que o órgão federal responsável, a Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), negou várias vezes esclarecer as dúvidas da prefeitura.

A passeata seguiu para o Ministério Público do Estado. Inicialmente os funcionários queriam impedir a entrada dos representantes da caminhada, insinuando que as entidades pudessem “fazer uma baderna”. Ao final, o procurador estadual recebeu dois porta-vozes e explicou que ele não era responsável pelo caso da hidrelétrica, mas um procurador de Alta Floresta. Este prometeu estar presente nas audiências públicas e, caso estas sejam canceladas, de receber representantes do Fórum para responder suas perguntas em reunião a ser agendada.

Rios mortos

O ato público encerrou as atividades do seminário “Amazônia em Debate: Compromissos das Universidades Públicas e Movimentos Sociais”, que reuniu aproximadamente 500 pessoas do Mato Grosso, Pará e Mato Grosso do Sul, nos dias 10 a 12 de novembro, na paróquia da igreja São Cristovão em Sinop.

Nos três dias de debates e palestras, os professores das universidades estadual e federal de Mato Grosso e representantes dos movimentos sociais apresentaram temas como a história da ocupação da região Amazônica, a lógica do mercado de energia no Brasil e no mundo, os impactos sociais e ambientais da implantação de hidrelétricas em geral e especificamente no caso de Sinop e o complexo Tapajós.

A conclusão foi clara: o complexo de barragens transformará os rios Teles Pires e Tapajós numa série de lagoas de água estagnada, suja e morta, eliminando uma grande parte da biodiversidade, despojando milhares de pessoas, impactando comunidades tradicionais como ribeirinhos, pescadores, pequenos agricultores e povos indígenas. Ao mesmo tempo, a energia gerada atenderá apenas às demandas da região sudeste do Brasil, criando poucos empregos para a região e muito lucro para as empresas de construção e de energia.

Cada entidade e comunidade presente deixou muito claro que está lutando em favor de uma sociedade justa e um modelo econômico verdadeiramente sustentável, com inclusão de todos os cidadãos, com outro modelo energético e respeito ao meio-ambiente. Um desenvolvimento que o modelo econômico vigente, o capitalista, não pode realizar. O complexo Tapajós também não atende a estas demandas, já que não está priorizando o homem, nem o meio-ambiente em que vive, mas os benefícios econômicos.

O último dia, sexta-feira, dedicou-se à definição das formas de resistência contra as barragens. Formalizou-se o Fórum Teles Pires Vivo, que reúne as entidades e povos presentes na luta contra as barragens da região. Discutiu-se o posicionamento frente às audiências públicas, consideradas como mero ritual para legitimar o empreendimento, a mobilização das bases na luta, e seus próximos passos, as alianças a serem realizadas a nível regional, nacional e internacional.

As entidades convidam outros movimentos e pessoas para aliar-se na luta contra as barragens.

As seguintes entidades e comunidades fazem parte da luta em defesa dos Rios Teles Pires-Tapajós e participaram da passeata

•    ADOURADOS
•    ADUEMS
•    ADUFMAT
•    ADUNEMAT
•    CIMI
•    Colônia dos Pescadores – Região de Sinop
•    Comunidades Eclesiais de Base
•    Comissão Pastoral da Terra (CPT)
•    Fórum Mato-grossense de Meio-ambiente (Formad)
•    INSTITUTO MAIWU – MT
•    Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)
•    Movimento de Mulheres Camponesas (MMC)
•    Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)
•    Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST)
•    Ordem dos Advogados do Brasil (OAB – Sinop)
•    Operação Amazônia Nativa (OPAN)
•    Pastoral da Juventude Rural (PJR)
•    Povo indígena Apiaká
•    Povo indígena Bakairí
•    Povo indígena Enawene Nawe
•    Povo indígena Irantxe
•    Povo indígena Kaiabí
•    Povo indígena Karajá
•    Povo indígena Munduruku
•    Povo indígena Panará
•    Povo indígena Rikbaktsa
•    Povo indígena Yudja
•    Secretaria Regional Pantanal do ANDES SN
•    Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) – Sinop, Lucas do Rio Verde e Barão de Melgaço
•    Sindicato dos Servidores Públicos Federais (SINDSEP-Sinop)
•    Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público-MT (SINTEP)

4 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pela Luta dos Povos e Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares, educador@s, estudantes e militantes da causa maior a Vida… Os Quatro Rios se fortalecem nesta iniciativa e juntos em Santarém esperamos avançar organizadamente para mais frutos nesta caminhada dificil…
    um forte abraço e força na luta amigos e amigas do Teles Pires, do Xingu, do Tapajós e nós do Madeira…
    Iremar – IMV

  2. Quero ver esse pessoal do "movimento" na hora em que o ar-condicionado da casa deles parar de funcionar, porque a energia gerada no sul e sudeste não consegue mais abastecer as demais regiões do Brasil……

    • Minha cara, cai na real vc acha mesmo q os "movimentos" como vc se refere, estão preocupados com o ar condicionado quando temos o AR NATURAL? Por favor, o mundo hoje deve estar voltado para a preservação dos recursos naturais e não apenas para uma visão capitalista.
      Acho que você viu, através dos meios de comunicação, o que ocorreu com o Japão. A água e os alimentos de lá já estão contaminados com a radiação, quanto tempo vc acredita q isso irá afetar o restante do mundo? Um outro detalhe importante e relevante, a construção de uma hidreletrica afetará a vida de muitos povos, do bioma, dos animais… não é uma causa particular que afetará apenas um único ser com seu ar condicionado. AOS, UNEMAT.

  3. Usina de Belo Monte, o ápice dos equívocos.
    Autorizar o complexo hidrelétrico de Belo Monte seria endossar a morte de milhões de animais e a destruição de lhões de dólares incalculáveis de grande parte de uma vegetação que levou milhões de anos para se desenvolver como equilíbrio climático de nosso planeta, a Floresta Amazônica. O que abriria ferida irreversível no pulmão da Terra e abreviaria a vida que nela floresce.
    Ainda há tempo de pararmos esta obra, que aceleraria os distúrbios climáticos não só no Brasil, mas por todo o nosso planeta. Pois estariam alterando o curso natural de sua maior Bacia Hidrográfica.
    José Fonte de Santa Ana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...