Início Notícias Brasileiros protestam contra Belo Monte e Código Florestal

Brasileiros protestam contra Belo Monte e Código Florestal

Protestos em várias regiões do país reúnem centenas de jovens contra construção da hidrelétrica Belo Monte e a aprovação do “novo” Código Floresta (O Eco Amazonia, 08;06.2011)


Há pelo menos duas semanas, grupos do Facebook chamavam pessoas para participarem de protestos no domingo, dia 5, contra duas decisões políticas recentes e polêmicas: a aprovação  pela Câmara dos Deputados, em 24 de maio, das mudanças propostas para o novo Código Florestal e, em 1 de junho, a Licença de Instalação (LI) da hidrelétrica Belo Monte, no Pará, concedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, manifestações ocorreram no Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre, Aracaju, Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo. Juntas, reuniram centenas de pessoas.

Em São Paulo o ponto de partida foi no Museu de Arte de São Paulo (MASP) e de lá seguiu para a avenida Paulista, a mais famosa e das mais movimentadas da capital paulistana. Aproximadamente 200 manifestantes participaram. No Rio de Janeiro, o protesto começou no Posto 9, seguiu para a avenida Visconde de Pirajá e também chegou a reunir cerca de 200 de pessoas. “Vi muitos jovens e fico feliz por isso”, diz a cantora Brita Brazil, uma das participantes. “Devido aos lastimáveis fatos de ultimamente, me refiro aos assassinatos dos ativistas no norte do país e a aprovação do novo Código Florestal, as pessoas estão se unindo não mais por um caso isolado, mas por acreditarem que lutar por um Brasil mais justo, seja do ponto de vista ambiental ou social, é uma obrigação que todos nós brasileiros possuimos, ou seja, a população está entendendo que ninguém irá lutar pelos direitos delas a não ser elas mesmas”, afirma Philyppe Motta, que esteve na manifestação no Rio de Janeiro.

O porquê das polêmicas

Em relação à aprovação do novo Código Florestal, os principais pontos contestados são referentes à Reserva Legal, Áreas Protegidas e ao Programa de Regularização Ambiental, além da anistia a desmatadores que derrubaram florestas até julho de 2008.  A usina, por sua vez, é contestada pela maneira com que o processo vem sendo conduzido. Conforme afirma o Movimento Xingu Vivo para Sempre, “cheio de atropelos” e com potencial de gerar consequências danosas como perda de biodiversidade (o que inclui espécies endêmicas), baixa produtividade (devido às cheias e vazantes do rio Xingu, a hidrelétrica não teria capacidade de gerar os 11 mil megawatts prometidos), impactos em comunidades indígenas e ribeirinhas, entre outras coisas.
Clique aqui para ver a galeria de fotos das manifestações no Rio de Janeiro e em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...