Início Notícias Movimentos sociais entregam pauta de reivindicação ao governo

Movimentos sociais entregam pauta de reivindicação ao governo

Representantes de organizações sociais, sindicais e estudantis brasileiras entregaram hoje ao presidente da Câmera de Deputados, Marco Maia, uma carta com suas reivindicações em diversas áreas (Prensa Latina, 24.08.2011) .

Mudanças na política econômica oficial, recursos para programas sanitários e a reforma agrária, bem como destinar  10 por cento do Produto Interno Bruto à educação, ressaltam entre as demandas dos integrantes de vários agrupamentos participantes na Jornada Nacional de Lutas.

Realizada durante esta semana em mais de 20 estados deste enorme país, as manifestações são organizadas pela Coordenação Nacional de Lutas, o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), a Via Camponesa e a Assembléia Nacional de Estudantes Livres, entre outras.

Estimados extra-oficiais indicam que uns 15 mil integrantes desses agrupamentos marcharam hoje pelas principais avenidas desta capital e se concentraram na Esplanada dos Ministérios, especificamente em frente à sede do Congresso Nacional.

Por outro lado, nesta terça-feira, uns cinco mil membros do MST ocuparam os acessos do Ministério de Fazenda a fim de exigir uma solução a dívida de uns 30 mil milhões de reais (uns 19 mil milhões de dólares) dos pequenos agricultores, bem como a entrega de terras a umas 60 mil famílias.

Os demandantes reuniram-se com o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, e receberam a garantia de que suas reivindicações seriam analisadas pelo governo, com uma possível resposta para a sexta-feira próxima, quando deve concluir a Jornada Nacional de Lutas.

A assessoria da Secretaria Geral da Presidência revelou que o único ponto da carta de demandas que foi recusado pelo governo é o referido à paralisação das obras da hidrelétrica Belo Monte, considerada estratégica para o desenvolvimento do Brasil.

Pese a isso, o coordenador do Movimento de Pequenos Agricultores, Plinio Simas, assinalou que até receber uma resposta concreta do governo continuarão os protestos de rua e em centrais espaços dos mais de 20 estados onde realizam mobilizações desde esta segunda-feira.

Do mesmo jeito, o coordenador nacional do MST, José Valdir Misnerovicz, indicou à imprensa local que o governo reconheceu que suas reivindicações são justas e por isso espera agora propostas de recursos para aumentar a entrega de terras, bem como um plano emergente para resolver a dívida dos filiados a sua organização.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Nota de solidariedade ao povo Munduruku

O Movimento Xingu Vivo para Sempre quer expressar sua solidariedade ao povo Munduruku, sua indignação contra o cotidiano de violência a que...

Beiradeiros, Xingu Vivo e SDDH entram com representação criminal contra responsáveis por danos à Volta Grande do Xingu

Depois da divulgação de um acordo firmado entre o Ibama e a Norte Energia que, na última semana, permitiu que a empresa...

Ibama e a sentença de morte do Médio Xingu

Por Verena Glass - No ano de 2020, o Médio Xingu sofreu uma das piores secas da sua história. Aliado a um...

Ibama contraria ministério e mantém decisão de determinar que Belo Monte libere água no rio Xingu

André Borges, O Estado de S.Paulo - Pressionado de todos os lados pelo governo, o Ibama decidiu levar adiante a sua decisão...