Início Notícias TRF1 julgará Ação Civil Pública que pode paralisar Belo Monte

TRF1 julgará Ação Civil Pública que pode paralisar Belo Monte

Na próxima segunda feira, dia 17, o Tribunal Federal Regional da Primeira Região (TRF1) em Brasília deve votar a Ação Civil Pública (ACP) 2006.39.03.000711-8, que exige o cumprimento do artigo 231 da Constituição Federal – a realização, pelo Congresso Nacional, das oitivas indígenas (consulta prévia, livre e informada às comunidades indígenas impactadas por Belo Monte) no caso de aproveitamentos hidrelétricos que afetem estas populações.

Impetrada pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2006, a ação obteve liminar favorável no mesmo ano, confirmada pelo TRF1, mas recebeu sentença contrária do então juiz de Altamira, Herculano Nacif, no julgamento de mérito. Agora, será apreciada a apelação do MPF desta sentença, e caso seja mantida a primeira decisão do TRF1, Belo Monte será paralisada até a realização das oitivas.

De acordo com o texto da última decisão do Tribunal, de 19.12.2006, “os impactos imediatos [de Belo Monte] incidirão sobre povos indígenas que possuem língua e culturas diferentes. (…) A área da UHE será submetida a pressões migratórias, grilagem, ocupações clandestinas, garimpagem, extração de madeira. A consulta se faz diretamente à comunidade envolvida com o projeto de construção. É do Congresso Nacional a competência exclusiva para fazer a consulta, pois só ele tem o poder de autorizar a obra. O parágrafo 3º do artigo 231 da CF/88 condiciona a autorização à oitiva”. Na mesma peça, o TRF1 julgou “inválida a autorização para a construção da UHE Belo Monte outorgada no Decreto Legislativo 788/2005 pelo Congresso Nacional” em tempo recorde e sem a realização dos trâmites previstos pela Constituição.

A manutenção do primeiro posicionamento do TRF1 no julgamento deste dia 17 pode evitar a concretização de um crime anunciado e reconhecido pelo próprio poder público contra a vida das comunidades indígenas do Xingu. Apesar das seguidas afirmações de autoridades do governo federal – entre elas a presidente da República, Dilma Rousseff, e a ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira – de que as populações indígenas não serão afetadas pela usina, parecer técnico do Ibama de 23 de novembro de 2010 explica que o não-alagamento de terras indígenas “não significa dizer que não haverá impactos diretos às populações indígenas. Pelo contrário, a redução da vazão é geradora de uma série de impactos importantes, associados à navegação, extrativismo vegetal e animal, entre outros, os quais foram devidamente identificados no EIA (Estudo de Impacto Ambiental)”.

Assim como este, inúmeros outros pareceres, tanto de órgãos do governo, como Ibama e Funai, quanto de cientistas e pesquisadores e entidades de defesa dos Direitos Humanos, confirmam a absoluta ilegalidade do processo de licenciamento de Belo Monte, e da inviabilidade social e ambiental do empreendimento. Grande parte destas ilegalidades são alvos das 12 ACPs do MPF que ainda aguardam decisão da Justiça.

Mobilizações
O julgamento da “ACP das Oitivas” será acompanhado, em Brasília, por entidades ambientalistas e defensores dos direitos humanos e indígenas, como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e Instituto Socioambiental (ISA), além do procurador do MPF no Pará, Felicio Pontes Junior.

Em Altamira, o Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS) estará mobilizando seus militantes para acompanhar o processo, e lideranças indígenas e sociais estarão disponíveis para entrevistas.

Já em São Paulo, entre os dias 15 e 17 o Movimento Brasil pelas Florestas, em parceria com o Movimento Indígenas em Ação e o MXVPS, realizará um acampamento no centro da cidade para exigir do Judiciário a aprovação desta Ação e celeridade no julgamento das demais 11 ACPs. A concentração  será no sábado, às 13h, na Praça da República, de onde os manifestantes seguem para o local do acampamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Um balanço da situação da Amazônia sob Bolsonaro em tempos da Covid 19

Por Rosa AcevedoNesse momento, alguém morre e será enterrado como mais uma nova vítima da COVID 19 na Amazônia. Milhões sentem os...

Protesto contra Norte Energia na Transamazônica termina com demandas enviadas ao MPF

Depois de cinco dias de ocupação e trancamento da Transamazônica na altura do km 27, a manifestação de pescadores, ribeirinhos, agricultores e...

Amazon Communities Protest to Maintain the Xingu River Alive

Foto: Lilo Clareto This Monday morning (11/09), over 150 representatives of fishermen, riverbank communities, family farmers and the...

Comunidades de 5 municípios trancam a Transamazônica por liberação de água no Xingu

Na manhã desta segunda, 9, cerca de 150 pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas Curuaya e Xipaya dos municípios de Altamira, Senador...