Início Notícias Altamira pede suspensão de Belo Monte

Altamira pede suspensão de Belo Monte

A cidade de Altamira (PA), palco da maior obra do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), pediu à presidente Dilma Rousseff, ao Ibama e ao MPF (Ministério Público Federal) a suspensão das obras da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (Folha de São Paulo, 20.11.2011).

O maior município em extensão territorial do Brasil já começou a sentir os efeitos da migração em massa após o início da construção, há mais de quatro meses.

Segundo a Secretaria de Planejamento de Altamira, apenas 30% das obras prometidas pela Norte Energia, responsável pelo projeto, foram atendidas. São construções e ampliações de salas de aula e posto de saúde, além de um novo hospital.

As obras de saneamento, promessa feita quando da autorização para o início da obra, estão atrasadas.

“O que me tranquiliza é que a Licença de Instalação [que autorizou o início da obra] não é definitiva. Sou favorável, sim, se não atenderem [as exigências], que a licença seja suspensa”, disse a prefeita, Odileia Sampaio (PSDB). A prefeitura estima que mais de 7.000 pessoas tenham chegado a Altamira.

A eventual paralisação de Belo Monte pode comprometer ainda mais os prazos de construção da usina. Relatório da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) já indica atraso.

Essa migração afetou a rotina da cidade e já demanda vagas em escolas e atendimento médico. Altamira tem um hospital regional, que atende todos os municípios da Transamazônica.

O custo de vida para quem mora em Altamira disparou. “Um quartinho que custava R$ 250 agora custa R$ 500. Como uma pessoa que recebe salário mínimo pode pagar?”, questiona Odileia.

Nas frentes de obra, já trabalham mais de 4.500 trabalhadores. Até dezembro, o número pode chegar a 5.000 e a previsão é que só a obra exija 20 mil pessoas.

Altamira teme repetir a história de Porto Velho, capital de Rondônia. Apesar dos recursos repassados ao Estado, as obras das hidrelétricas de Jirau e de Santo Antônio não conseguiram alterar a precária situação dos sistemas de saúde, da educação e do saneamento da cidade.

NOVOS PRAZOS
Após o pedido de paralisação de Belo Monte, a prefeitura diz que conseguiu voltar a negociar com a Norte Energia um novo cronograma para o cumprimento das obras emergenciais.

“A Norte Energia não estava preparada para resolver os problemas. Parece que agora começa a se mexer”, diz o secretário de Planejamento de Altamira, Antônio Bortoli.

Procurada, a Norte Energia não confirmou essa renegociação de prazos, mas disse que respondeu a todos os pontos da carta.

Antes, o diretor de relações institucionais, João Pimentel, reconheceu que as obras de Belo Monte estão mais aceleradas do que aquelas previstas para readequar a infraestrutura da cidade.

“Isso é verdade, mas cada coisa tem seu ritmo. Belo Monte está sendo tocada por dez empreiteiras de altíssimo porte. Aqui, atrasa um pouco, tem dificuldade para a liberação de um terreno, tem invasão, tem a contratação da empreiteira local”, disse.

Veja o vídeo sobre o impacto de Belo Monte
folha.com/no1008607

3 COMENTÁRIOS

  1. A belo monte esta trazendo p nossa região, uma inflação sem controle, ontem uma bandejinha d linguiça era R$ 8,00 agora R$29,00. O aluguel d R$ 500,00 passou p R$ 1.700,00, eh isto q este projeto esta trazendo. Quem esta rindo e debochando d população local: os especuladores, donos d imóveis, supermercados, entre outros. OU FAZEMOS UM MOVIMENTO PÚBLICO CONTRA O ABUSO FINANCEIRO, OU TEREMOS DE NOS MUDAR E DEIXAR O CONSORCIO CONSTRUTOR TOMAR CONTA DE NOSSA REGIÃO. Vamos começar um movimento público de rua, e já. Vamos p as ruas defender nossos direitos. No Brasil, o indice d aumento d aluguel foi d 7,46% em outubro, em Altamira eh d n minimo 120% até 1000%. Vamos fazer manifestações, vamos ao MPF.

  2. Acho que devemos todos nós, brasileiros nos unirmos, sair ás ruas para impedir que isso aconteça!Vamos lá!!!!Vamos pintar a cara e pedir o fim dessa atrocidade!

  3. O desenvolvimento global do país é uma necessidade e sempre será acompanhado de impacto ambiental adverso. Resta-nos avaliar os riscos pró e contra do emmpreendimento, envolvendo estudos técnicos, sustentabilidade e aspectos sociais, econômicos etc e posteriormente adequar aos interesses políticos nacionais. Só vi opiniões contra a implantação da Belo Monte. Necessito conhecer o controverso dos fatos (estudos e prognósticos) para opinar, principalmente quando se sabe que há fortíssimos interesses internacionais nessa área do Brasil.

Deixe uma resposta para Eder Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Podcast BANZEIRO – as informações atualizadas que interessam ao povo atingido por Belo Monte no Médio Xingu

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, que tem abordado assuntos, temas e...

Regulação da CFURH: controle social e destinação para as famílias afetadas pela usina de Belo Monte

Desde que a usina de Belo Monte começou a gerar energia comercialmente, em abril de 2016, em concordância com a legislação nacional...

Prefeitura de Altamira propõe regulamentação de Royalties de Belo Monte. Movimentos cobram participação e MPs endossam

Por Verena GlassDesde que Belo Monte começou a gerar energia comercialmente, em abril de 2016, a empresa Norte Energia, concessionaria da usina,...

Nota de solidariedade ao povo Munduruku

O Movimento Xingu Vivo para Sempre quer expressar sua solidariedade ao povo Munduruku, sua indignação contra o cotidiano de violência a que...