14.03, dia de Luta – 400 protestam contra Belo Monte em Altamira. São Paulo tem “ato cênico”

WE BUILD CONNECTIONS WITH ORGANIZATIONS AND COOPERATE WITH SMART PEOPLE ALL OVER THE WORLD

 


Cerca de 400 pessoas protestaram contra a construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, em Altamira, no Pará, no dia internacional de luta contra barragens. A marcha, inserida no calendário nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e construída localmente com o Movimento Xingu Vivo Para Sempre, contou com a participação de atingidos de toda a região, além de militantes  de Tucuruí e Itaituba.

O ato foi pacífico, mas acompanhado ostensivamente por policiais militares e a Tropa de Choque (ROTAM), em picapes 4×4 e um helicóptero alugado pela Norte Energia para usa da polícia e Defesa Civil na cidade. Um ônibus do Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) – conglomerado liderado pela construtora Andrade Gutierrez, responsável pelas obras -, cedido à policia de choque, escoltou  a marcha durante todo o trajeto.

A manifestação teve início no Fórum da cidade, para pressionar por celeridade nos processos judiciais relacionados a Belo Monte e, em especial, o caso do agricultor Seu Sebastião, que foi expulso de sua terra, teve toda sua plantação destruída pela Norte Energia e ainda não recebeu nenhuma indenização.

Os manifestantes passaram também pela Centrais Elétricas do Pará (CELPA), distribuidora de energia à beira da falência, cujos trabalhadores recentemente estiveram em greve. Lideranças sindicais urbanitárias fizeram falas contrárias à Belo Monte e em defesa da reestatização do sistema de distribuição de energia.

Em seguida, a marcha parou na frente da Justiça Federal, onde foram lidos os nomes de todos os juízes que “assinaram a morte do rio Xingu” e exigido o julgamento das Ações Civis Públicas (ACPs) travadas na Justiça. No ponto alto da manifestação, seu Sebastião tomou o microfone e exigiu justiça para ele, sua família e todos os atingidos por Belo Monte.

A manifestação terminou às portas de um dos escritórios da Norte Energia, responsável pela construção da usina. Os manifestantes exigiram que a empresa recebesse uma pauta de reivindicações dos atingidos, que foi entregue em reunião com a concessionária à tarde.

São Paulo
Pequeno mas aguerrido, o grupo de ativistas independentes que organizou um protesto em frente ao prédio da Eletronorte na Avenida Paulista, em São Paulo, panfletou contra Belo Monte mascarado de Dilma e vestido de BNDES e Camargo Correia.

A ação performática, que reuniu cerca de 20 pessoas, teve como alvo principal os transeuntes que deixavam o trabalho por volta das 17h. Com panfletos, brincadeiras e simpatia, os manifestantes pediam dinheiro para a construção de Belo Monte, explicando que, depois da promessa de repasse de cerca de 25 bilhões do BNDES para a Norte Energia, insuficientes para fazer a usina, era necessário que o cidadão contribuísse diretamente com um pouco mais. “Você já está pagando 25 milhões, o que custa dar mais um trocado”, questionavam quem topasse parar pra conversar.

O ato também contou com pequenas esquetes teatrais, representando a confraternização e a troca de dinheiro entre a empreiteira, a presidente e o banco, e a violência contra os agricultores despejados por Belo Monte.

Por fim, um “embate físico” das construtoras, financiadoras e governo contra os rios Xingu, Tapajós, os povos ribeirinhos, populações indígenas e a floresta Amazônica, culminando na “morte” de manifestantes caracterizados de rios, povos e florestas.

Os cadáveres, colocados na frente do prédio, na calçada da Av.Paulista, foram marcados com tinta branca, em memória e protesto contra a construção da Usina de Belo Monte. Na avaliação dos ativistas, o ato foi bastante efetivo. “Muitas pessoas dialogaram com o movimento, e algumas até se integraram à distribuição dos panfletos e na conversa com os que passavam”.

Fotos: Ruy Sposati (Altamira) e Verena Glass  (São Paulo). Colaborou  Juliana Bruce

Comments (7)

Parabéns ao MAB pela fidelidade a causa dos trabalhadores

Leticia

Pena que estou no sul. Seria uma honra acompanhar este movimento "em corpo presente"!

EU TAVA LÁ EM !! lutem povo!!

Dagmar, crie o movimento no sul que tambem tah precisando!

Pior é que o escritório da Eletronorte não fica neste prédio e nem se quer na Av. Paulista…

Quando a última árvore tiver caído,
Quando o último rio tiver secado,
Quando o último peixe for pescado,
Vocês vão entender que o dinheiro não se come

Greenpeace

É incrivel como ainda pregam o desenvolvimento sustentável!

Brena da Silva Canoeiro

Gostaria de estar presente de corpo e alma nesse movimento… Sou contra Belo Monte e a Portaria 303… Sou AVÁ-CANOEIRO.

Comment to Brena da Silva Canoeiro Cancelar resposta