Início Notícias Resolução de impasse sobre negociações com manifestantes está na mão da Justiça

Resolução de impasse sobre negociações com manifestantes está na mão da Justiça

Quase uma semana após a última ocupação da ensecadeira de Pimental (um dos canteiros de obra de Belo Monte) por indígenas e pescadores, as negociações sobre as reivindicações dos atingidos pela usina e a desocupação do local dependem agora de acordo com a Justiça Federal.

Na manhã desta sexta, 12, o juiz federal de Altamira, Marcelo Honorato, determinou que  seja realizada uma audiência de conciliação entre os manifestantes, a Funai e a Norte Energia na próxima segunda, 15, na própria ensecadeira, mas condicionou o processo de negociação à desocupação do local num prazo de 24 horas.

Um oficial de justiça entregou a proposta aos acampados na tarde de sexta feira. O fato de estar acompanhado de homens da Policia Federal fortemente armados desagradou muito os indígenas e acirrou o clima de tensão, mas houve a predisposição dos manifestantes de acatar a decisão da Justiça.

Em carta entregue ao oficial de justiça, os indígenas comunicaram ao juiz que acatariam a determinação de deixar o atual local do acampamento na ensecadeira e que as chaves dos tratores e caminhões do Consorcio Construtor Belo Monte seriam devolvidas, se fosse viabilizada a permanência do grupo em local destinado ao alojamento dos trabalhadores, dentro do canteiro de obras. Na carta, os índios demonstram sua “disposição para o diálogo ao aceitar a decisão judicial que determinou a realização da reunião no dia 15/10/2012 e a retirada pacífica do canteiro, conforme determinado. Contudo, exigimos que sejam dadas condições adequadas para nós enquanto aguardamos a reunião. Exigimos aguardar a realização da reunião no alojamento (onde fica o refeitório) do sítio Pimental, e que sejamos transportados para esse local em ônibus, e que seja fornecida alimentação até o dia da reunião. Nós assumimos o compromisso de aguardar a reunião no local indicado, sem causar quaisquer danos ao patrimônio da empresa. Estamos adotando essa posição por acreditar que essa reunião possa trazer um resultado positivo para nossas comunidades, com o cumprimento das condicionantes e execução do PBA. Estamos cansados de reuniões que não resolvem nada, nas quais a Norte Energia assume compromissos que não cumpre.”

Os indígenas denunciam ainda constantes ameaças sofridas por parte de funcionários da Norte Energia, mas reforçam que que seu movimento é pacífico: “não iremos adotar nenhuma medida de violência contra funcionários da Norte Energia, do CCBM ou de qualquer outra instituição“.

Até o meio dia deste sábado, 13, não houve resposta da Justiça à proposta dos manifestantes.

Descontentamento
A demora do encaminhamento efetivo de soluções para os problemas enfrentados por indígenas e pescadores tem gerado muito descontentamento entre os manifestantes. “Será que vai ser preciso a gente derramar nosso sangue aqui pra vocês fazerem alguma coisa?”, disparou a liderança indígena Claudio Curuaia, diante da coordenadora regional da FUNAI, uma procuradora da república e o oficial de justiça que estiveram no acampamento nesta sexta.

Foi a segunda vez que representantes de órgãos federais foram até o canteiro de obras. Apesar de estarem sem fornecimento de água potável e enfrentando dificuldades com a alimentação, os manifestantes não se cansam de tentar fazer com o que os “doutores” entendam sua situação. “Se alguém invadiu aqui foi a Norte Energia que está violando nossos direitos” disse a liderança Léo Xipaya.

Na conversa com as autoridades, uma liderança parakanã, segurando seu arco e flechas, desabafou: “Eu já lutei muito pelo meu povo. Sou um velho e tinha que estar na minha aldeia agora. Eu não tinha que estar aqui. Mas eu vim porque estou vendo o sofrimento do meu povo e o mal que essa obra esta trazendo. Eu vim pra resolver esse problema ou morrer aqui”.

Leia aqui a integra da última decisão do Juíz

Leia aqui a íntegra da carta dos indígenas

2 COMENTÁRIOS

  1. continue a lutar estamos torcendo por todos vcs que a justiça vai ollhar por tds estes manifestantes eles estao lutando no que e deles espirito santo abençoe a todos amem estamos ligados pela força de pensamentos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...