Início Notícias Índios encerram protesto em Belo Monte após garantia de indenização

Índios encerram protesto em Belo Monte após garantia de indenização

Folha de São Paulo, 09.01.2013 –  Após três dias de protestos, índios da etnia juruna que ocupavam um dos acessos à obra da usina hidrelétrica de Belo Monte, no sudoeste do Pará, encerraram a manifestação por volta das 18h45 (horário de Brasília) desta quarta-feira (9). A obra ficou parcialmente parada desde segunda-feira (7) em razão do protesto e deve retomar as atividades normais na quinta-feira (10).

A Norte Energia, empresa responsável pela hidrelétrica e que tem o governo federal como principal acionista, se comprometeu em pagar uma indenização para compensar danos ambientais provocados pela obra nas águas do rio Xingu. Índios e empresa não informaram o valor acertado.

Os índios pediram inicialmente R$ 300 mil de indenização. Eles afirmam que as águas do Xingu ficaram turvas nos últimos dois meses, desde o fim da construção de uma barragem provisória no rio, o que teria inviabilizado a pesca nas aldeias. “Foi decidido que a empresa dará uma compensação. O valor, infelizmente, acordamos que não vamos falar. A partir de agora eles vão arcar com os prejuízos na nossa atividade pesqueira”, afirmou o índio Jaílton Juruna. Segundo ele, outras compensações foram acordadas, como a construção de poços artesianos dentro das aldeias da região conhecida como Volta Grande do Xingu. “Estamos saindo satisfeitos da reunião. Mostramos que a gente da Volta Grande tem que ser respeitada”, disse o líder do protesto.

Roberto Camilo, diretor socioambiental da Norte Energia, avaliou o acordo como positivo. “Os índios foram bastante maduros e concordaram com aquilo que oferecemos. Todos nós temos o mesmo objetivo de construir essa usina para gerar energia”, afirmou.

Na segunda-feira (7), ao menos 20 índios jurunas, pintados e armados com flechas, iniciaram o bloqueio na estrada de acesso ao sítio Pimental, um dos três canteiros da obra da usina, a 50 km da cidade de Altamira. Quinze ônibus foram retidos pelos índios. Na manhã desta quarta (9), os índios deixaram que veículos com alimentos e combustível entrassem dentro do canteiro, onde mil operários estavam alojados.

Com a obra suspensa, outros 3.000 trabalhadores continuavam em suas casas. O CCBM, consórcio responsável pela construção da usina, informou que a obra tem previsão de conclusão em 2019. Por esse motivo, segundo a empresa, não é possível mensurar prejuízos por causa da paralisação em apenas um canteiro da obra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...