Início Notícias Resposta do Xingu Vivo à nota do CCBM sobre atuação da Força...

Resposta do Xingu Vivo à nota do CCBM sobre atuação da Força Nacional em Belo Monte

Nesta quarta, 17, o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM, composto pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, Queiroz Galvão, Contern , Galvão Engenharia, Cetenco , J. Malucelli  e Serveng) divulgou uma nota à imprensa sobre a atuação da Força Nacional de Segurança como vigilante privada da hidrelétrica de Belo Monte, listando protestos que grupos atingidos e violados têm realizado para cobrar direitos (veja a íntegra da nota no pé da pagina). 

Segue a resposta do Movimento Xingu Vivo para Sempre:

Saudações

Nós, cidadãos brasileiros e representantes das comunidades afetadas por Belo Monte, afirmamos que não admitimos o gasto de recursos públicos com o pagamento de uma força militar do Estado Brasileiro para proteger interesses e bens privados. Este entendimento é compartido pelo Ministério Público Federal, cuja função primeira é zelar pela correta e legal administração dos bens e dos direitos dos cidadãos brasileiros e da União.

Também lhes comunicamos que se aplica ao caso de Belo Monte a terceira lei de Newton, que reza que toda ação tem uma reação – mesmo que, no caso, a segunda tem sido de intensidade bem inferior à primeira.

Pois vejamos: atualmente, tramitam na Justiça mais de 60 ações por ilegalidades, irregularidades e violações de direitos cometidos por vossas senhorias. Nenhum dano a instalações de Belo Monte, como vossas senhorias se arvoram a denunciar, se compara, porém, à destruição, à revelia, da moradia e da vida de uma família, como no caso de seu Sebastião Pereira e Maria da Graça Militão. Nem à destruição de milhares de hectares de terra cultivada por anos por pequenos agricultores, que hoje se apinham nas periferias de Altamira. Nem ao desmatamento efetuado por vossas senhorias. Nem ao emporcalhamento do rio Xingu. Nem à morte de seus peixes. Nem à redução de 100 km de sua vazão. Nem ao alagamento de dezenas de casa em Altamira.

Se trabalhadores incendiaram instalações nos canteiros de Belo Monte, não o fizeram para esquentar o frio das noites de Altamira, mas porque seus direitos são sistematicamente violados por vossas senhorias.

Se as populações indígenas ocuparam canteiros de obras, isto não ocorreu por excesso de tempo livre, mas em função do recorrente descumprimento de acordos firmados por vossas senhorias, da degradação dos seus meios de vida e sobrevivência e, principalmente, devido à violação de seu direito constitucional à consulta livre, prévia e informada, garantida também na Convenção 169 da OIT.

Se as populações urbanas se manifestam nas ruas, não o fazem por lazer, mas porque condicionantes vitais, previstas desde antes do inicio das obras, não foram cumpridas por vossas senhorias.

E quanto à organização dos movimentos sociais, é um direito garantido pela Constituição, assim como o é a livre organização sindical. Diante disso, primeiramente é VERGONHOSA a iniciativa do CCBM de infiltrar empregados com bugigangas de terceira para espionar nossas atividades. Acima de tudo, é um DISPARATE o CCBM listar GREVES como justificativa para a presença e ação de uma força militar de repressão.

É VERGONHOSA a tentativa do CCBM de imputar às vitimas o papel de bandidos. Reafirmamos que não estaríamos lutando por direitos se estes não tivessem sido brutalmente violados por vossas senhorias. Reafirmamos que não aceitaremos que recursos nossos, públicos, sejam gastos para que sejamos atacados e reprimidos por militares e policiais, quando nada fazemos além de exigir o cumprimento das leis. Reafirmamos que não se lutou por mais de 15 anos contra a ditadura militar neste país para que ela seja reinstaurada na Amazônia para proteger interesses de grandes doadores de campanha.

Att.

Movimento Xingu Vivo para Sempre

Veja aqui a nota de imprensa do CCBM

Caros (as), boa tarde.

Os veículos de imprensa têm discutido muito a presença da Força Nacional de Segurança em canteiros de obras do Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM). Aproveitamos esse debate para lembrar àqueles que costumam cobrir esse tema o que levou o Ministério da Justiça a autorizar o envio de efetivo para a região do Xingu: a sequência de invasões, depredações e incêndios praticados em frentes de obras do CCBM, tendo como responsáveis integrantes de ONGs, indígenas e membros de instituições sindicais que sequer têm poder legal de representar os trabalhadores.

Abaixo, segue breve histórico com resumo das principais paralisações e depredações ocorridas desde junho de 2011, quando o CCBM iniciou as obras da UHE Belo Monte. A presença de agentes da FNS em canteiros de Belo Monte, em momentos de crise, visam garantir a segurança dos mais de 22 mil funcionários que, muitas vezes, ficam reféns de minorias que com suas ações violentas põem em risco a vida desses milhares de trabalhadores.

Depredações e paralisações – Principais episódios

2011

Out – Impedimento de acesso com obstrução feita por manifestantes (ONGs) no acesso ao Sítio Belo Monte (Seminário Mundial contra Belo Monte);

Nov – Greve de trabalhadores;

2012

Jan – Invasão do Sítio Pimental  (Xingu Vivo);

Mar – Greve de trabalhadores;

Jun – Integrantes do Xingu Vivo e indígenas invadem e depredam escritório administrativo do Sítio Belo Monte (Xingu +23). Nesta ocorrência, foram constatados furtos de equipamentos;

Jul – Paralisação da produção no Sítio Pimental, com ocupação de indígenas na Ilha Marciana;

Set – Impedimento do acesso fluvial do CCBM à área de construção do Sistema de Transposição de Embarcações nas Ilhas de Serra e Pedra do Sítio Pimental  (manifestação de pescadores);

Out – Paralisação de atividades no Sítio Pimental, por invasão de indígenas;

Nov – Depredação generalizada no Sítio Belo Monte (movimento de trabalhadores), que teve também incêndios de veículos em canteiro e em via de acesso;

2013

Jan – Impedimento de acesso ao Sítio Pimental, em ação promovida por indígenas;

Mar – Produtores rurais e indígenas ocupam e causam paralisação da produção no Sitio Pimental;

Mar – Homem é encontrado com dinamite em alojamento do Sítio Belo Monte;

Mar – Sítios Canais e Diques e Belo Monte sofrem depredações e têm alojamentos incendiados;

Abr – Conlutas invade canteiros e paralisa produção nos Sítios Belo Monte e Pimental.

Att,

Gutemberg Cruz
FSB COMUNICAÇÕES / CONSÓRCIO CONSTRUTOR BELO MONTE – CCBM

 

10 COMENTÁRIOS

  1. É muito vergonhosa a atitude das vossas senhorias de nosso governo, que acha certo atropelar os direitos dos verdadeiros donos da terra, que são os Índios ! Temos que impedir que esta obra seja efetivada urgentemente, para que esse lamentável prejuízo ao povo indígena e às nossas riquezas naturais não se concretize !

    • Você é leigo ignorante, que não sabe nada sobre a importância da obra e sobre a região…Sou engenheiro civil da J. Malucelli, e trabalhei 3 meses na UHE Belo Monte, a região já era desmatada, usada ilegalmente por fazendeiros, Indios, claro, os que vivem lá são o exemplo da cultura ainda viva: eles tem notebooks, possuem armas de alto calibre e possuem camionetes L200 e Hilux, claro … lamentável a "cultura" desses povos…Na epoca de faculdade, trabalhei, junto com alunos da COPE_UFRJ, EESC-USP, UFPR, Unicamp além de engenheiros da VLB Engenharia…foram estes que estudaram a implantação de Belo Monte,e foi considerada totalmente viável em 2001 …agora se você acha que os cientistas e espceialistas de faculdades de renome como USP, UFRJ, UFPR, UNICAMP, estão errados…então tá…foram consultados especialistas da Politécnica de Lousaine (Suiça) e de UC Berkeley…e estes aprovaram a obra…Não seja "maria vai com as outras" informe-se com os técnicos…depois tire suas conclusões

  2. Força Nacional de Segurança, o braço armado do governo, usado prá garantir aos empreiteiros milionários que usurpem o direito dos DONOS historicamente legítimos do solo (que hoje é) Brasil. Com tantas questões na justiça, contra o CCBM, a quem de fato interessa construir novas usinas, gastarem-se bilhões de grana que nos falta na saúde, na edução, no saneamento básico, no calçamento de ruas de todos os municípios brasileiros? E por que não investir em restauração, recuperação, obras de manutenção das usinas que já existem?

    • Temos que fazer um movimento nacional para parar essa obra…
      Não podemos nos curvar a essa ignorância politica que assola nosso pais.
      Quando eles tomam posse juram em cumprir a constituição, mas quando sento o gosto do poder ignoram todas as leis.
      Isso é CRIME!!!
      CRIME CONTRA DIREITO INTER GERACIONAIS. CRIME AMBIENTAL. CRIME CONTRA AS POPULAÇÕES TRADICIONAIS.
      CRIME, CRIME, CRIME…
      INDIGNAÇÃO!!!!
      CHEGA!!!!

  3. Só um detalhe, caros amigos do Xingu Vivo: quem lê a nota do CCBM com um mínimo de cuidado e atenção, percebe que em nenhum momento a nota cita as greves como motivos para a presença da Força Nacional de segurança.

    Diz a nota: "…o que levou o Ministério da Justiça a autorizar o envio de efetivo para a região do Xingu: a sequência de invasões, depredações e incêndios praticados em frentes de obras…". Está escrito lá: as causas são: 1) Sequência de invasões; 2) Depredações; 3) Incêndios.

    Ou seja, em nenhum momento a nota cita as greves como motivo para a presença da Força Nacional em Belo Monte.

  4. Eu tambem sou dono da terra, porque nasci no Brasil, e pago imposto e preciso trabalhar, quando falta energia na sua casa vc culpa o gonverno, vamos construir + essa se Deus quizer

  5. uma empresa que humilha funcionario e explora exporadicamente alem do limite a condição humana desiçoes presipitadas sao tomadas por uma administração defasada de planejamento ordem e controle

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...