Início Notícias "O governo está preparando uma tragédia", afirmam indígenas

“O governo está preparando uma tragédia”, afirmam indígenas

Foto: Ruy Sposati
Foto: Ruy Sposati

A situação é grave na Usina Hidrelétrica Belo Monte. Os indígenas que ocupam pelo terceiro dia e pela segunda vez no mês o principal canteiro da barragem temem que uma tragédia de grandes proporções aconteça, com a autorização judicial da entrada da polícia para efetuar o despejo. Para eles, o governo está ameaçando repetir o confronto ocorrido na aldeia Teles Pires em novembro do ano passado, onde a Polícia Federal assassinou um indígena Munduruku e deixou dezenas de outros feridos.

Em coletiva à imprensa, Candido Waro declarou que os indígenas ocupados não irão cumprir a reintegração de posse. “Nós não vamos sair. Nós vamos morrer aqui, o governo vai matar todo mundo”, afirmou a liderança munduruku em coletiva à imprensa. O indígena reafirmou que o governo não tem cumprido com as exigências constitucionais no processo de consulta.

“O governo está preparando uma tragédia”, afirma Paygomuyatpu Munduruku. “Nós não vamos sair daqui. O governo tem nos ignorado, ofendido, humilhado, assassinado”. Para ele, está claro que o governo está tentando sufocar o movimento. “Ele já matou uma vez e vai matar de novo. Eles mataram porque nós somos contra as barragens”, explica. Os indígenas se mostraram “ofendidos” com a declaração do ministro Gilberto Carvalho à rede Globo de que ele não teria sido “comunicado oficialmente” sobre a vontade dos Munduruku de se reunirem com o governo federal.

VIOLÊNCIA POLICIAL

Além da pressão do governo federal, os indígenas têm sofrido diariamente ameaças e intimidações dos policiais que residem no canteiro de obras, e daqueles que estão cercando o empreendimento. O vídeo abaixo, registrado por um indígena dentro da ocupação, mostra um policial intimidando e ameaçando os manifestantes, ao apontar armas e dizer que vai “quebrar” um indígena.

Para o grupo que ocupa o canteiro, a única saída é que o governo federal, na figura do ministro Gilberto Carvalho ou da presidente Dilma Rousseff, vão ao canteiro e se comprometam a cumprir a pauta dos indígenas. Eles exigem a suspensão de todos os estudos e obras de barragens que afetem seus territórios até que sejam consultados como previsto por lei.

2 COMENTÁRIOS

  1. E uma desgraça de proporções imensas. O governo não aprendeu nada dos erros cometidos durante centenas de anos, não só no Brasil, mais também no mundo. Os indígenas não merecem uma presença civilizada, destrutiva e ignorante de uma sociedade corrupta. Eu esteve seguindo estes desenvolvimentos em Belo Monte há algum tempo e estou surpreso ao ver, que nao tem resultados positivas apesar de todas manifestacoes contre a obra. Este cruel destruição da terra indigena continua independentemente de sacrifício humano ou ambiental. Os políticos prestam apenas serviço labial.

    Os soldados em Belo Monte, estando em terra indigena, mandem a populacao a falar português, como se eles não merecem de viver se nao o fizerem. Além disso, eles mencionam que os indígenas não trabalhem e "contribuirem". Eu sei como eles usavam de viver e trabalhar, é uma vida duro, mas razoavelmente independente assim que não afeta o ambiente de maneira como o mundo civilizado. A contribuição"civilizada" tem levado à destruição, porque em todo o mundo, a sustentabilidade não era considerado a ser um problema. Gerações futuras podem lidar com isso. Nós, nós mesmos, vivemos aqui e agora e o futuro é algo abstrato.

    Que vergonha que os políticos e a população que reconhecem a verdade por trás dessas ações não fazem o suficiente para parar este desastre uma vez por todas.

  2. E uma desgraça de proporções imensas. O governo não aprendeu nada dos erros cometidos durante centenas de anos, não só no Brasil, mais também no mundo. Os indígenas não merecem ser regulada a empurrado de uma presença civilizada, destrutiva e ignorante de uma sociedade corrupta. Eu esteve seguindo estes desenvolvimentos em Belo Monte há algum tempo e estou surpreso ao ver, que nao tem resultados positivas apesar de todas manifestacoes contre a obra. Este cruel destruição da terra indigena continua independentemente de sacrifício humano ou ambiental. Os políticos prestam apenas serviços labial.

    Os soldados em Belo Monte mandem indígenas a falar português, como se eles não merecem de viver se nao o fizerem. Além disso, eles criticem que os indígenas não trabalhem e "contribuirem". Eu sei como eles usavam de viver e trabalhar, é uma vida duro, mas razoavelmente independente assim que não afeta o ambiente de maneira como o mundo civilizado. A contribuição"civilizada" tem levado à destruição no mundo inteiro, porque a sustentabilidade não era considerado a ser um problema. Gerações futuras podem lidar com isso. Nós, nós mesmos, vivemos aqui e agora e o futuro é algo abstrato.

    Que vergonha que os políticos e a população que reconhecem a verdade por trás dessas ações não fazem o suficiente para parar este desastre uma vez por todas.

    (Traducao Ingles/Portugues)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...