Início Notícias Pare Belo Monte, o grito que segue

Pare Belo Monte, o grito que segue

ilha7

Enquanto o Xingu e sua gente seguem agonizando, vítimas de um processo de degeneração sem precedentes dos mecanismos legais de proteção de seus direitos, no dia 24 de novembro o governo federal, através do Ibama, jogou a derradeira pá de cal sobre o pouco que ainda se esperava de respeito ao Estado Democrático de Direito, e emitiu a Licença de Operação (LO) da hidrelétrica de Belo Monte.

Contrariando pareceres da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH), da Defensoria Pública do Estado do Pará e do Ministério Público Federal, a LO foi concedida à Norte Energia imediatamente após o mesmo Ibama ter multado os mesmos empreendedores de Belo Monte em R$ 5 milhões por descumprimento de condicionantes do licenciamento anterior.

A concessão da Licença de Operação do mais nefasto projeto do governo petista desconsiderou todos os critérios legais, técnicos e climáticos intrínsecos ao bom senso e escancarou, novamente, o desdém pelas populações que caracterizam o seu fazer política. Porque a LO foi uma decisão política, e das mais perversas em um tempo em que o país se contorce sob o desastre de Mariana e os elevadíssimos índices de desmatamento – que, não por coincidência, bateu todos os recordes justamente na área de influência de Belo Monte.

A concessão da LO sem dúvida é uma tentativa de calar os resistentes do Xingu; porque, uma vez em funcionamento a hidrelétrica, que mecanismo têm os violados para pressionar contra as violações ou por reparações? Com Belo Monte pronta, espera o governo, o mundo se esquecerá deste seu crime e buscará outro para denunciar.

Pois engana-se o governo. Seus tão apregoados empregos acabaram, e hoje o que há na área de Belo Monte é um exército de miseráveis, sem terra, sem roça, sem peixes e sem canteiro de obras. Os desempregados, os indígenas, os carroceiros, os oleiros, os ribeirinhos, os camponeses e todos que tiveram suas vidas destroçadas continuam lá, ainda vivos. Ainda vivos apesar da violência e das chacinas que hoje são cotidianas em Altamira. Ainda vivos apesar da ameaça de transformar seu rio em uma enorme cloaca a céu aberto, por deficiente o sistema de esgotamento da cidade. Ainda vivos apesar do enchimento do reservatório da barragem poder ocorrer em época de chuva e ameaçar colocar debaixo d’água o território do Xingu, campo e cidade.

Enganam-se o governo e a Norte Energia se acreditam que as vozes dos violados se afogarão nas águas de Belo Monte. Não se afogarão, não se calarão, não mudarão o foco de sua luta e de sua resistência, de suas denúncias e exigências por reparação. O grito de luta “Pare Belo Monte” não caducou nem nunca caducará.

É o que declara o Movimento Xingu vivo para Sempre

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Um balanço da situação da Amazônia sob Bolsonaro em tempos da Covid 19

Por Rosa AcevedoNesse momento, alguém morre e será enterrado como mais uma nova vítima da COVID 19 na Amazônia. Milhões sentem os...

Protesto contra Norte Energia na Transamazônica termina com demandas enviadas ao MPF

Depois de cinco dias de ocupação e trancamento da Transamazônica na altura do km 27, a manifestação de pescadores, ribeirinhos, agricultores e...

Amazon Communities Protest to Maintain the Xingu River Alive

Foto: Lilo Clareto This Monday morning (11/09), over 150 representatives of fishermen, riverbank communities, family farmers and the...

Comunidades de 5 municípios trancam a Transamazônica por liberação de água no Xingu

Na manhã desta segunda, 9, cerca de 150 pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas Curuaya e Xipaya dos municípios de Altamira, Senador...