Início Notícias Bill Clinton critica hidrelétricas na Amazônia

Bill Clinton critica hidrelétricas na Amazônia

Ex-presidente americano cita direitos indígenas e pede que o Brasil lidere o mundo no século 21 na busca de alternativas energéticas sustentáveisO ex-presidente americano Bill Clinton sinalizou em seu discurso neste final de semana que é contra a construção maciça de novas hidrelétricas na Amazônia. Ao mesmo tempo em que elogiou os esforços para reduzir o desmatamento e alcançar prosperidade econômica, Clinton citou a polêmica sobre a construção de grandes usinas como um “problema real” e pediu ao Brasil liderança na busca de alternativas energéticas. Clinton participou do II Fórum Mundial de Sustentabilidade em Manaus.

“Digo isso porque eu sei que a grande polêmica travada aqui é se energia renovável é sempre sustentável e sempre justa para a população local, por causa da controvérsias obre a construção de grandes hidrelétricas na floresta e as populações indígenas que se opõem a elas”, disse Clinton.

“Qual é a alternativa? Vocês precisam de eletricidade e eles querem preservar a floresta. E 20 por cento do oxigênio mundial vêm daqui. Não é fácil, mas vocês têm que pensar sobre essas coisas, sobre o futuro dos filhos e netos deles”. Clinton pediu ao Brasil para pensar sobre a população indígena, espécies animais e de plantas que podem conter a cura para doenças. “Eu sou naturalmente simpático às populações indígenas”, continuou ele. “Eu acho que seu papel [no mundo como líder global] está emergindo. Eu quero que vocês liderem o resto do mundo do século 21 na questão [energética]”.

O ex-presidente americano se encontrou com o cineasta James Cameron, que também participou do evento em Manaus. Os dois teriam discutido alternativas energéticas à construção de grandes hidrelétricas na Amazônia. Na abertura do Fórum, Cameron, que tinha acabado de retornar de sua terceira viagem ao local proposto para a construção de Belo Monte, no rio Xingu, dividiu o palco com o ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger e a experiência do estado americano em termos de política energética.

“A coisa mais importante é conscientizar o Brasil de que Belo Monte não é uma boa solução para a demanda energética do país, dada à falta de viabilidade econômica e as questões morais e éticas envolvidas, sem falar no enorme ônus para as populações indígenas e outros habitantes do Xingu. Os contribuintes brasileiros poderiam economizar bilhões de Reais cancelando o projeto e redirecionando os investimento em energia genuinamente renovável”, disse Cameron.

Refletindo sobre o discurso de Clinton, Atossa Soltani, diretora-executiva da AmazonWatch, que acompanhou James Cameron em sua viagem ao Brasil, disse: “As observações do presidente Clinton vão fortalecer as vozes brasileiras que estão buscando alternativas energéticas mais responsáveis, como a solar e a eólica. Grande shidrelétricas em florestas tropicais não podem ser consideradas limpas devido ao grave impacto socioambiental. E quando pesamos o fato de que menos de 1,5 % da energia do país vem do vento e do sol, percebemos que o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para ser um líder na questão energética”.

“O apelo de Clinton para que o Brasil lidere o mundo rumo a um futuro de energias limpas foi emocionante e oportuna, fortalecendo nossas tentativas de influenciaro governo”, disse Antonia Melo, coordenadora do Movimento Xingu Vivo Para Sempre. “É um grande desafio para as populações da Amazônia convencer o governo a investir em alternativas limpas e sustentáveis, como a solar e a eólica. Esperamos quea presidente Dilma veja a oportunidade de liderança e repense seu atual planejamento energético, que prevê cerca de 70 grandes hidrelétricas na Amazônia nos próximos 20 anos”.

Estimado atualmente em 17 bilhões de dólares, o Complexo Hidrelétrico de BeloMonte é propagandeado pelo governo como a terceira maior hidrelétrica do mundo. Se construída, a obra vai desviar quase que totalmente o fluxo do rio Xingu ao longo de quase 100 quilômetros da região conhecida como Volta Grande. Seus reservatórios vão inundar mais de 1,2 mil hectares de florestas e assentamentos, deslocando entre 20 mil e 40 mil pessoas e gerando vastas quantidades de metano. Uma licença de instalação parcial foi emitida para a o projeto no final de janeiro apesar do consórcio responsável pela obra não ter cumprido a maioria das condicionantes estabelecidas pelo Ibama e pela Funai.

2 COMENTÁRIOS

  1. O problema (para todos os Brasileiros) e mais grande to que Belo Monte: Os EUA e OTAN-Europa tem uma GUERRA BRANDA contra o Brasil e America do Sul, para controlar a sub-continente geopoliticamente e militarmente. Devido a isto, os EUA e OTAN-Europa usam como "agentes-de-fato" as ONGs (Greenpeace, Survival International, International Rivers, WWLF, CIMI, Amazonwatch) para paralisar os projetos para o desenvolvimente economico, como os PAC, especialmente Belo Monte. Bill Clinton, James Cameron, Arnold Schwarzenegger – todos sao multi-milionrarios que gostam da publicadade adicional para suas "personalidades". Veja a "casa" do verdadeiro "Avatar"James Cameron no video youtube "James Cameron Hypocryte". Voces, prezados amigos – sao utiles para os fims DELES .

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...