Início Notícias Construção de Belo Monte é criticada durante audiência no Senado

Construção de Belo Monte é criticada durante audiência no Senado

– O governo mente quando diz que ouviu essas comunidades – declarou Marinor. A senadora lembrou que, recentemente, a Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu a suspensão do licenciamento da usina de Belo Monte (Agencia Senado, 5.05.2011).

A OEA argumenta que a hidrelétrica pode prejudicar as comunidades indígenas da região, que deveriam ser ouvidas de forma “prévia, livre, informada, de boa-fé e culturalmente adequada”.

O procurador da República no Pará Bruno Soares Valente afirmou que “a posição do Ministério Público é bem clara: a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, está sendo conduzida de forma errada, com a prática de uma série de irregularidades”. Ele informou que já foram ajuizadas, desde 2001, dez ações civis públicas contra o empreendimento.

– Da forma como está sendo feita, essa iniciativa não pode ter continuidade – declarou ele.

Bruno Soares também disse que, para esse tipo de empreendimento, é preciso “dotar os municípios envolvidos de infraestrutura urbana que os prepare para receber o fluxo migratório de trabalhadores decorrente dos novos empregos”.

– Sem a estrutura adequada, coloca-se em risco esses locais – alertou ele.

Marinor cita estimativas de que mais de 100 mil trabalhadores podem migrar para a região com a expectativa de encontrar emprego, quando, na verdade, a oferta total prevista seria muito menor do que essa quantidade.

Também presente na audiência, a procuradora de Justiça Maria da Graça Azevedo Silva apresentou argumentos semelhantes e disse que é necessário defender o meio ambiente e os direitos sociais das populações locais. Ao reiterar que as ações civis públicas em relação a Belo Monte vêm sendo ajuizadas há dez anos (desde 2001, quando o presidente era Fernando Henrique Cardoso), ela ressaltou que tais ações não se opõem a um presidente específico.

Célio Bermann, professor na área de eletrotécnica e energia da Universidade de São Paulo, afirma que o projeto da usina foi “superdimensionado” e é inviável economicamente. Segundo ele, a hidrelétrica não vai produzir a energia esperada devido à diversidade hidrológica que há na região ao longo do ano.

– Na época da estiagem, de setembro a outubro, Belo Monte não vai produzir mais que 1.100 megawatts – estimou ele.

Além disso, a professora Sônia Magalhães, da Universidade Federal do Pará, criticou os Estudos de Impacto Ambiental (EIA) e o respectivo Relatório de Impacto Ambiental (Rima) sobre Belo Monte. Ela disse que ambos utilizaram estudos e metodologias “insuficientes”, por não incluírem toda a população a ser atingida nem todos os impactos ambientais das obras.

Clique aqui para ver o relatório da missão da Comissão dos Direitos Humanos do Senado em Altamira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Um balanço da situação da Amazônia sob Bolsonaro em tempos da Covid 19

Por Rosa AcevedoNesse momento, alguém morre e será enterrado como mais uma nova vítima da COVID 19 na Amazônia. Milhões sentem os...

Protesto contra Norte Energia na Transamazônica termina com demandas enviadas ao MPF

Depois de cinco dias de ocupação e trancamento da Transamazônica na altura do km 27, a manifestação de pescadores, ribeirinhos, agricultores e...

Amazon Communities Protest to Maintain the Xingu River Alive

Foto: Lilo Clareto This Monday morning (11/09), over 150 representatives of fishermen, riverbank communities, family farmers and the...

Comunidades de 5 municípios trancam a Transamazônica por liberação de água no Xingu

Na manhã desta segunda, 9, cerca de 150 pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas Curuaya e Xipaya dos municípios de Altamira, Senador...