Início Notícias Diário do Pará: Histórias que sumirão com as inundações

Diário do Pará: Histórias que sumirão com as inundações

Em fevereiro de 2010, Lucimar Barros da Silva mantinha viva a esperança de que iria manter intactos os 400 hectares de terra que possuía no Travessão do 27, em plena Transamazônica. No último sábado (17), sob uma temperatura de 34 graus, Lucimar pegou o microfone na manifestação contra Belo Monte em Altamira. O discurso, embora firme, já era de desencanto. “Eu vou ter que sair. Mas a indenização que vão me dar não quer dizer que eu sairei feliz”, diz ele.

Lucimar é filho de Abrão Fonseca da Silva, 71 anos, um maranhense que chegou a Altamira há 32 anos, depois de anos trabalhando como empregado em fazendas. Possui 300 hectares de terra, onde planta e cria gado. Resistiu o quanto pôde, mas também terá de sair da propriedade porque ela será alagada. Assim como a terra do filho Lucimar.

“É triste abandonar um lugar onde se derramou suor. Meu cacau já tá dando, consegui fazer uma casa como eu queria. Mas terei de largar isso”, diz Lucimar. “E o meu pai tem vez que chora, tem vez que acha que vai conseguir recuperar as coisas de novo”.

Em 2010, quando conversou com o DIÁRIO, Abrão dizia que não tinha mais idade para sair de onde vivia com a família, com o gado, os porcos, as galinhas, os carneiros, bodes, cachorros e o papagaio, para aventurar de novo. Abrão foi convidado para ir morar em Altamira em 1975, ainda sob a propaganda governamental, que prometia 100 hectares de terra para cada colono que se aventurasse no ‘desbravamento’ amazônico. Só cinco anos depois tomou coragem para vir. Criou família. Trabalhou de sol a sol. Fez a vida na Transamazônica.

É uma história semelhante ao de Amadeu Fiok, 74 anos, quarenta e um deles vivendo às margens da Transamazônica. Nascido no município de Castanhal, Fiok é uma das poucas vozes que se opõem à própria retirada do lugar em que mora, na Vila Santo Antonio. A comunidade, de pouco mais de 130 famílias, fica a 10 km de distância, se tanto, de um dos canteiros de obra de Belo Monte.

“Querem construir casas para os doutorezinhos”, diz Amadeu Fiok, sentado atrás do pequeno balcão da venda que montou depois que os braços não tiveram mais forças para trabalhar na roça. Fiok se refere a ideia de se construir casas para os engenheiros e outros graduados que irão trabalhar em Belo Monte.

A Vila Santo Antônio representa bem o impacto social que um empreendimento do porte da hidrelétrica causa. Qual o valor justo de uma indenização? Como calcular? “Me deram onze mil na minha casa”, diz Neca, uma mulher negra, de pouco mais de 30 anos. “Mas acho que faltou união da comunidade para brigar por mais direitos”.

“Perdemos a unidade de organização”, admite Edvan Gomes, 43 anos, que tenta, sem sucesso, unir a comunidade numa só voz. Só que a maioria aceitou o dinheiro disponibilizado pelo consórcio Norte Energia. “Sem voz igual, fica mais difícil resistir”, diz Gomes.

Amadeu Fiok resiste. Já recusou dinheiro alto pela venda do imóvel. “Eles dizem que não interessa o tempo que estou aqui, mas eu moro aqui há 41 anos. Quando cheguei a gente ia a pé para Altamira. Como é que isso não conta?”, reclama.

É o que pensa também Paulo Roberto de Souza, um paulista de 50 anos que trocou a boleia de caminhões para viver em Altamira. “Conheço o Brasil todo, mas é aqui o meu paraíso”, diz. O paraíso à qual ele se refere é o rio Xingu, que Souza pode alcançar em poucos passos a partir da casa onde mora. “Eu planto muruci aqui. Colho mais de 7 mil sacas por ano. Se eu tiver que sair, que me indenizem com um valor que realmente seja justo”, diz.

O local onde Paulo Roberto Souza mora é conhecido como Pedral. É uma área recheada de balneários, bastante procurada pelos moradores de Altamira. É onde o rio Xingu apresenta algumas partes menos profundas.

A Norte Energia disponibilizou três formas de compensação pelos imóveis. A indenização pela casa, a indenização pelo terreno e a recolocação da pessoa em um imóvel fornecido pela empresa.

Nota
Sobre a reportagem “Belo Monte: uma obra sem respostas a populações”, publicada nesta segunda-feira (19) pelo Diário do Pará, a empresa Norte Energia S.A respondeu, em nota, que “apesar de tentar mostrar os dois lados da Usina Hidrelétrica Belo Monte, tanto pelo lado do empreendedor quanto pelas organizações sociais e ambientais que protestam contra sua construção, acaba, no final, tomando claro partido das manifestações contrárias ao empreendimento”.

A empresa disse ainda lamentar “que o jornal tenha passado aos leitores a impressão de que o movimento Dia X Pelo Xingu e Contra Belo Monte, realizado no último sábado (17), alcançou adesão de muitos manifestantes”. “O que se viu foram poucas pessoas pintadas e fantasiadas de indígenas em algumas cidades o Brasil, demonstrando que os protestos contra a usina já não mais atingem os corações e as mentes da população brasileira. Pelo contrário, esta percebe cada vez mais a manipulação que esse tipo de organização tenta fazer contra o projeto, que visa ao desenvolvimento do Estado do Pará e do Brasil”.

Justiça rejeita pedido para barrar obra
A Justiça Federal rejeitou, nesta segunda-feira (19), pedido de liminar em ação ajuizada pela Colônia de Pescadores Z-57 de Altamira, que pretendia proibir o início das atividades de construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte somente no leito do rio Xingu.

Na mesma decisão, o juiz federal substituto Hugo da Gama Filho, da 9ª Vara, que julga ações de natureza ambiental, declarou extinto o processo, sem apreciar o mérito, com relação a uma outra parte do pedido da Colônia de Pescadores, para que o consórcio Norte Energia S.A. (Nesa), responsável pelas obras da hidrelétrica, fosse proibido de transportar para a cidade de Altamira o lixo produzido no canteiro de obras. As decisões do magistrado são passíveis de recurso para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília (DF).

Na semana passada, o juiz federal Carlos Eduardo Castro Martins, titular da 9ª Vara, já havia revogado liminar que ele mesmo concedera, em setembro deste ano, determinando a imediata paralisação das obras de construção da hidrelétrica, porque poderia prejudicar as atividades de pesca de peixes ornamentais pelos associados da Associação dos Criadores e Exportadores de Peixes Ornamentais de Altamira (Acepoat). Ao revogar sua decisão anterior, o magistrado liberou as obras no leito do Rio Xingu.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...