Início Notícias Sem atendimento de demandas, indígenas continuam em Altamira para cobrar oitivas

Sem atendimento de demandas, indígenas continuam em Altamira para cobrar oitivas

Depois de deixar o canteiro de Belo Monte por ordem da Justiça no último dia 9, parte dos indígenas que pararam o principal canteiro de obras da usina por oito dias permanecem na cidade de Altamira para dar continuidade aos processos de mobilização pela paralisação de todos os projetos hidrelétricos e seus estudos nos rios Xingu, Tapajós e Teles Pires. Eles exigem que seja realizada a consulta prévia, prevista na Constituição e na Convenção 169 da OIT.

Lideranças de uma das aldeias do Teles Pires, Valdenir Munduruku afirmou que os indígenas não atenderão à proposta do governo federal de realizar uma reunião em Brasília para discutir a consulta prévia relativa a apenas uma das hidrelétrica que ameaça os Munduruku no rio Tapajós. A convocação foi feita na última semana pelo ministro da Secretaria geral da Presidência, Gilberto Carvalho. “Não se trata apenas de consultar os indígenas do Tapajós, mas sim de respeitar a Constituição, que prevê, junto com a Convenção 169, que todos os povos indígenas devem ser consultados antes da realização de estudos e da construção das hidrelétricas. Por isso, continuamos esperando a vinda do ministro Gilberto aqui em Altamira, como demandamos durante o processo de ocupação”, explica Valdenir.

A mobilização conta com apoio crescente de lideranças indígenas de outros grupos, como os Kayapó Mebêngôkre. No último dia 10, os caciques Raoni, Megaron e Bep Kraô divulgaram uma nota em nome das aldeias Kremoro, Piaraçu, Jatobá, Kretire, Bytire, Kaweretxiko, Ropni, Krumare, Kakankube, Mopkrore, Omjekrakum, Kororoti, Nasepotiti e Sokwe, prestando solidariedade à luta dos grupos em Altamira e exigindo que sejam feitas as oitivas indígenas.

Um dia antes, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) também divulgou uma nota dura contra o governo e a tentativa de criminalizar e deslegitimar as lideranças Munduruku. “A COIAB rejeita e abomina o anseio do governo de querer afirmar ou dizer quem é ou não indígena; isso deixa claro que os direitos dos nossos povos continuam sendo desrespeitados e violados nessa terra que defendemos muito antes de ser Brasil: Exigimos respeito”, diz a nota.

De acordo com a coordenadora do Movimento Xingu Vivo para Sempre, Antonia Melo, a permanência dos indígenas em Altamira também tem reforçado a organização de demais setores atingidos por Belo Monte. “Os moradores da cidade que perderão suas casas estão cada vez mais descontentes com as propostas de reassentamento completamente absurdas da Norte Energia, e a resistência indígena está reacendendo as mobilizações urbanas também”, explica. Segundo ela, o Xingu Vivo e seus parceiros continuarão a apoiar os indígenas, inclusive com campanhas de captação de recursos, que deverá ser lançada ainda essa semana.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...

Podcast BANZEIRO

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para...

Projeto Belo Sun coloca Amazônia brasileira em risco de contaminação

ISA - Uma avaliação técnica concluiu que a mina de ouro que a empresa canadense Belo Sun Mining pretende instalar na Volta...

Debate Amazônia em conflito: quem põe preço e quem dá valor – a disputa entre os predadores e os povos da floresta

A Amazônia sempre esteve em disputa entre os que a parasitam e aqueles que nasceram nos territórios e deles vivem. Há...