Início Notícias Justiça determina reintegração de posse mas indígenas dizem que ficam

Justiça determina reintegração de posse mas indígenas dizem que ficam

A Justiça Federal de Altamira determinou nesta terça-feira, 28, que seja realizada a reintegração de posse do canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na região de Altamira (PA). Ocupada desde ontem por 170 indígenas que reinvindicam a suspensão de obras e estudos de hidrelétricas na Amazônia, o principal trecho da barragem está com os trabalhos parados pela segunda vez no mês.

Um oficial da Justiça Federal esteve no canteiro para entregar o documento da reintegração aos manifestantes. A leitura do documento não causou espanto aos indígenas, que rasgaram o documento na frente do oficial, de representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e de cerca de 40 homens da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Tropa de Choque, Rotam e Polícia Civil. Depois eles dançaram e cantaram.

O juíz Sérgio Wolney Guedes, da comarca de Altamira, deu um prazo de 24 horas para que os indígenas saiam pacificamente da obra. Os indígenas afirmam que não sairão por ordem judicial, e exigem a presença do ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República.

Os povos indígenas e comunidades tradicionais afetadas pela UHE Belo Monte nunca foram consultados, conforme a Constituição Federal e a Convenção 169 da OIT, para que pudessem dizer se querem ou não o empreendimento. Nos rios Tapajós e Teles Pires a situação é a mesma. Por essa razão, os povos indígenas decidiram unificar as lutas contra as hidrelétricas na Amazônia como forma de serem ouvidos.

No canteiro ocupado, o clima é tenso entre indígenas e policiais. Segundo relato dos manifestantes, ameaças verbais e intimidação po parte da Força Nacional são constantes no canteiro. Ainda, um jornalista foi ameaçado de prisão e uma documentarista foi expulsa do canteiro por policiais enquanto entrevistava os indígenas. A energia elétrica na área em que os indígenas estão acampados continua cortada.

Imprensa: para outras informações e entrevistas, o telefone de contato com a ocupação é (93) 8805-2597. Também, pelo blog da ocupação: http://ocupacaobelomonte.wordpress.com/

Veja imagens da ocupação e do canteiro paralisado. Fotos: Ruy Sposati

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta para stephany rodrigues Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Podcast BANZEIRO – as informações atualizadas que interessam ao povo atingido por Belo Monte no Médio Xingu

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, que tem abordado assuntos, temas e...

Regulação da CFURH: controle social e destinação para as famílias afetadas pela usina de Belo Monte

Desde que a usina de Belo Monte começou a gerar energia comercialmente, em abril de 2016, em concordância com a legislação nacional...

Prefeitura de Altamira propõe regulamentação de Royalties de Belo Monte. Movimentos cobram participação e MPs endossam

Por Verena GlassDesde que Belo Monte começou a gerar energia comercialmente, em abril de 2016, a empresa Norte Energia, concessionaria da usina,...

Nota de solidariedade ao povo Munduruku

O Movimento Xingu Vivo para Sempre quer expressar sua solidariedade ao povo Munduruku, sua indignação contra o cotidiano de violência a que...