Início Notícias Após ação, DPU reafirma que Belo Monte não pode encher reservatório com...

Após ação, DPU reafirma que Belo Monte não pode encher reservatório com vazão reduzida do Xingu

morte energia

No último dia 10 de setembro, a Defensoria Pública da União (DPU) no Pará impetrou na Justiça Federal de Altamira uma ação civil pública contra a União, a Funai, o Ibama, a Agencia Nacional das Águas (ANA), o BNDES e o Consórcio Norte Energia com exigência de pagamento de R$ 3,5 bilhões a várias categorias de atingidos pelas obras da usina de Belo Monte.

Na ação, a DPU lista violações de direitos e danos irreparáveis já sofridos por indígenas, ribeirinhos, carroceiros, pescadores artesanais, barqueiros, garimpeiros e reassentados urbanos, além de apresentar dados sobre prejuízos à saúde da população de Altamira e descrever o processo de gentrificação por ela sofrido. O documento também pontua as diversas irregularidades cometidas pelos réus do processo, como a deliberada subtração do direito à defesa dos atingidos por parte da União ao não instalar em Altamira uma unidade da defensoria pública, o não cumprimento de uma série de condicionantes vinculadas às licenças ambientais da obra por parte da Norte Energia, a leniência do Ibama com este procedimento, a leniência da Funai diante da violação de direitos indígenas, a inobservância do BNDES de critérios sociais e ambientais para o empréstimo de recursos à usina e a inobservância, por parte da ANA, de critérios constitucionais e do Código das Águas no manejo do rio Xingu.

Ilegalidade do enchimento do reservatório
Além de cobrar o pagamento por danos coletivos e individuais aos afetados por Belo Monte, a DPU também incluiu na ação um pedido de medida cautelar contra o enchimento do reservatório da usina neste segundo semestre, inerente a uma possível outorga da Licença de Operação, solicitada pela Norte Energia em fevereiro, pelo Ibama.

De acordo com o defensor-chefe da DPU- Pará, Cláudio Santos, apesar de alterações em uma resolução da ANA que anteriormente especificava a proibição de enchimento do reservatório no período de junho a dezembro, quando a vazão do Xingu é reduzida em função do período de seca, em conformidade com o Código das Águas tal intervenção no rio permanece vetada neste período. Ou seja, segue válida a proibição de enchimento do reservatório no segundo semestre apesar da exclusão, no novo texto, da menção do período de vazão reduzida do rio.

Neste sentido, a DPU peticionou nesta na última sexta, 18, um esclarecimento na Justiça Federal com detalhamaentos sobre o procedimento jurídico previsto pela legislação, que prevê, como fator prioritário, a proteção das populações dependentes dos recursos hídricos em questão.

De acordo com a DPU, “observa-se que as alterações na redação das Resoluções ANA nº 48/2011 e 911/2014 (740/2009) não fixaram o período de início de enchimento do reservatório da UHE Belo Monte, como previsto no Edital, mas isso não significa dizer que a concessionária possa fazê-lo no período de maior baixa no volume de águas do rio Xingu, isto é, nos meses de julho a dezembro, isso porque o art. 143 do Código de Águas determina que:

Art. 143. Em todos os aproveitamentos de energia hidráulica serão satisfeita exigências acauteladoras dos interesses gerais:
a) da alimentação e das necessidades das populações ribeirinhas;
b) da salubridade pública;
c) da navegação;
d) da irrigação;
e) da proteção contra as inundações;
f) da conservação e livre circulação do peixe;
g) do escoamento e rejeição das águas”.

De acordo com a nova petição, “o mandamento legal não deixa margem a dúvida no sentido de que o fim maior da norma acima é a proteção das comunidades tradicionais atingidas. Logo, se as modificações não estabeleceram um período de início para o enchimento do reservatório, forçoso concluir que o período não pode ser aquele (julho a dezembro) em que a vazão do Rio Xingu fica reduzida (…). Ante o exposto, a DPU reitera os termos do pedido de medida cautelar para proibir a empresa Norte Energia de dar início ao processo de enchimento do reservatório da UHE Belo Monte no período de junho a dezembro”.

De acordo com a DPU, a Justiça Federal está ouvindo as partes para definir sobre o deferimento da ação.

1 COMENTÁRIO

  1. It will be very hard for Norte Energia to comply with all of these things- public health, fish passage, these are not just cheap things they can add on, and Norte Energia must make a big effort to install this if they plan to comply before filling the reservoir

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Nota de solidariedade ao povo Munduruku

O Movimento Xingu Vivo para Sempre quer expressar sua solidariedade ao povo Munduruku, sua indignação contra o cotidiano de violência a que...

Beiradeiros, Xingu Vivo e SDDH entram com representação criminal contra responsáveis por danos à Volta Grande do Xingu

Depois da divulgação de um acordo firmado entre o Ibama e a Norte Energia que, na última semana, permitiu que a empresa...

Ibama e a sentença de morte do Médio Xingu

Por Verena Glass - No ano de 2020, o Médio Xingu sofreu uma das piores secas da sua história. Aliado a um...

Ibama contraria ministério e mantém decisão de determinar que Belo Monte libere água no rio Xingu

André Borges, O Estado de S.Paulo - Pressionado de todos os lados pelo governo, o Ibama decidiu levar adiante a sua decisão...