Início Belo Sun Governo não inclui nem povo nem ciência em plano de gestão...

Governo não inclui nem povo nem ciência em plano de gestão das águas do PA

Consulta sobre o PERH em Altamira teve pouca representatividade

Por Eraldo Paulino
Na manhã desta quarta, 24, foi realizada em Altamira a primeira rodada de consultas públicas sobre o  Plano Estadual de Recursos Hídricos (PERH), que tem como objetivo orientar políticas públicas na gestão das águas do estado do Pará pelo período de 10.

De acordo com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS), que realização audiências também nas cidades-polo de  Santarém, Marabá e Belém, as consultas serão o principal espaço de participação popular na construção do PERH ao longo de três etapas do planejamento: diagnóstico, prognóstico e elaboração de diretrizes. Porém, o que se viu nesta primeira experiência foram dados genéricos e falta de representatividade, denunciaram representantes das populações locais e da academia.

As cerca de 40 pessoas de entidades públicas e da sociedade civil de Altamira e municípios próximos que conseguiram tomar conhecimento da realização desta atividade apontaram vários problemas nas bases metodológicas da elaboração do PERH. Para Antônio Rilson, de Brasil Novo, a consulta pública também não foi devidamente divulgada e não contou com a participação de comunidades quilombolas, indígenas e ribeirinhas, que não têm internet e nem recursos para chegar a Altamira. “Além disso, onde estão os representantes do agronegócio, que estão poluindo nossos rios e matas com agrotóxico? Aqui há representantes dos madeireiros? Aqui temos representantes da Norte Energia?”, provocou, reiterando que não é possível falar de recursos hídricos na região sem levar em consideração os impactos da hidrelétrica de Belo Monte no rio e nos povos do Xingu.

Tanto pesquisadores da UFPA e da UEPA quanto especialistas de organizações ambientalistas questionaram os dados apresentada pela SEMAS por falta de base técnico-científica. “Por que o Ibama não está aqui? Não é possível vocês apresentarem o diagnóstico de uma bacia hidrográfica sem pesquisa de campo, sem análises físicas, químicas e biológicas, especialmente num local tão único como esse que foi afetado por Belo Monte. Vocês nos entregaram um formulário para contribuição, em que colocam algumas linhas para descrever conflitos. Só o que está acontecendo com a Norte Energia e Belo Sun renderiam um livro”, afirmou Carolina Reis, advogada do Instituto Socioambiental (ISA).

Na avaliação do geógrafo Luiz Cláudio Teixeira, do Movimento Xingu Vivo para Sempre, a condução do processo de decisão sobre as políticas de gestão dos recursos hídricos no Estado é perniciosa. “Temos uma região que sofre dos graves impactos de Belo Monte, e que está sob forte ameaça do projeto mineiro de Belo Sun que, se instalada, terminará de deteriorar completamente uma região que ainda nem pôde entender direito os impactos da hidrelétrica. E é a SEMAS que tem a atribuição de licenciar a mineradora, que pretende ser a maior exploração de ouro a céu aberto do país. Se um plano de gestão das águas for feito com participação adequada e com os devidos dados, então esses projetos teriam grandes problemas para ser instalados no estado, e não acho que seja intenção do governo estadual ser um freio para essa visão colonizadora para a Amazônia”, afirmou.

Comitê Popular de Bacias
O Fórum em Defesa de Altamira, que vinha debatendo a realização da consulta e do PERH há algumas semanas, já tinha um mal pressentimento, explica Antonia Melo, uma de suas idealizadoras e coordenadora do Xingu Vivo. “Os governos enxergam os espaços de participação social apenas como instrumento burocrático para validar as políticas de ataques à Amazônia, usam esses espaços de participação popular para vender a ideia de que são governos participativos”. Como alternativa, o Fórum tem discutido a criação de um Comitê Popular da Bacia do Xingu, dialogado com os povos da região de forma democrática, amplamente representativa e autônoma que fiscalize, denuncie injustiças e anuncie práticas de bem viver no território. “Os comitês de bacia tradicionais têm sido uma grande armadilha para as comunidades, porque os governantes costumam usar a sua influência neles para passar a ideia de que o povo aceita os megaempreendimentos. Nós queremos ser independentes”, explica Antônia Melo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Belo Monte aumentou emissões de gases-estufa no Xingu em cerca de 3 vezes, diz estudo

Por Folha de São Paulo - Cercada de críticas desde o início do seu projeto, a usina hidrelétrica de Belo Monte gerou...

Justiça cancela acordo do Ibama com a Norte Energia sobre uso da água da Volta Grande do Xingu

Por MPF - A Justiça Federal cancelou o termo de compromisso entre o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e a...

Punição para a cadeia de culpados pela violência contra a nação Munduruku

Esta quarta, 26 de maio, foi um dia terrível. Criminosos ligados ao garimpo que invade, destrói, empesteia e mata no território Munduruku,...

Garimpeiros atacam e incendeiam aldeia de liderança Munduruku contrária ao garimpo no Tapajós (PA)

Do MPF - Um grupo de garimpeiros armados atacou nesta quarta-feira (26), no início da tarde, a aldeia Fazenda Tapajós, em...