Podcast BANZEIRO

9
1798

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas importantes para o povo do Médio Xingu

Episódio 01, 31.07.2020 – Inicia as discussões sobre os royalties ou CFURH (Compensação Financeira pelo Uso dos Recursos Hídricos) da usina de Belo Monte, com muitas dúvidas. O que é? Quanto dinheiro entra por mes em Altamira com esse pagamento? Onde é gasto?

Episódio 02, 07.08.2020 – Comenta os problemas que o povo do Medio Xingu e de Altamira está enfrentando agora, como as queimadas que estão se alastrando na região, a fumaça e a fuligem que invade as casas, e a situação dos pescadores do Xingu, que ja não conseguem se manter porque o rio está secando e os peixes morrendo. E fala sobre a parcela dos royalties ou CFURH (Compensação Financeira pelo Uso dos Recursos Hídricos) da usina de Belo Monte que vão para o governo do Pará. Onde é aplicado o recurso? Por que não beneficia os atingidos pela usina em municipios que não recebem royalties?

Episódio 3, 14.08.2020 – Da uma pausa no debate sobre os royalties de Belo Monte para fazer uma homenagem a Dom Pedro Casaldáliga, falecido uma semana antes. Traz depoimentos de pessoas que o conheceram de perto, como Dom Erwin Krautler, Frei Xavier Plassat e as agricultoras Nelsa e Marcia, e fala do que significa a luta para três mulheres fortes de Altamira

Episódio 4, 21.08.2020 – Retoma o debate do CFURH/Royalties de Belo Monte, mas antes fala do trabalho de formação que o Xingu Vivo desenvolve com os Nucleos Guardiões em várias regiões de Altamira. Traz as preocupações dos pescadores e dos agricultores da Volta Grande do Xingu, e explica como Belo Monte tem sido responsável pela diminuição das águas na região, o que está prejudicando não só a pesca, mas também a agricultura, como explica o engenheiro florestal Thiago Castro Alves. Também conta com a participação da defensora pública Andreia Barreto, que explica uma ação contra a prefeitura de Altamira para que os ribeirinhos tenham melhor atendimento de saude, e que pra isso podem ser usados recursos dos royalties da usina

Episódio 5, 28.08.2020 – Neste episódio, falamos novamente da falta de transparência da prefeitura de Altamira em relação à aplicação dos royalties de Belo Monte, mas descobrimos que em 2019 ao menos 2 milhões foram para a Secretaria de obras, que gastou mais de 200 mil reais em uma churrascaria. Participam Alessandra Cardoso, do Inesc, e Daniel Bona, promotor do MPE

Episódio 6, 19.09.2020 – Neste episódio, o Banzeiro discute a saga dos ribeirinhos deslocados de seus territórios pela hidrelétrica de Belo Monte e que enfrentam novas manobras da Norte Energia na luta pelo retorno às margens do Xingu. Em 2017, foi criado o Conselho Ribeirinho, que elaborou um projeto de retorno de mais de 300 familias ao território, e que foi assinado pelo Ibama, MPF e pela própria Norte Energia. Em agosto, porém, a empresa disse que vai quebrar o acordo porque as terras ja estariam ocupadas por outros fazendeiros.

Episódio 7, 25.09.2020 – Neste episódio, voltamos a falar das queimadas que estão destruindo a Amazônia e o Pantanal. Na semana, Bolsonaro fez uma fala na assembleia geral da ONU elogiando o agronegócio e culpando indígenas e camponeses pelos incendios crimininosos. O Banzeiro traz o repúdio à fala do presidente de quem vive do seu território, e relatos sobre a ação criminosa de fazendeiros e grileiros tanto no Pará quanto no Pantanal. Por fim, mostra o que nós, o povo da Amazônia, sentimos quando o fogo acaba com a nossa mata e nossos animais

Episódio 8, 3.10.2020
Neste episódio, o Banzeiro fala da seca da Volta Grande do Xingu, a ameaça do hidrograma de consenso – ou da discordia – que a Norte Energia quer impor e a falta de participação do povo nas decisões sobre a vida do rio e da gente que vive dele.

Episódio 9, 11.10.2020
Este programa discute e explica o que é o direito à consulta livre, prévia e informada da Convenção 169 da OIT. Sempre que um projeto ou uma lei afete os direitos das comunidades tradicionais – indígenas, quilombolas, pescadores, ribeirinhos, etc – eles tem que ser consultados de acordo com uma convenção internacional ratificada pelo Brasil. Conversamos com os especialistas Rodrigo Oliveira e Liana Lima sobre o assunto

Episódio 10, 19.10.2020
Nesse episódio, o Banzeiro discute os chamados Direitos da Natureza; quando a natureza deixa de ser um objeto e passa a ser um sujeito de direitos. A primeira ação judicial sobre isso foi impetrada pelo procurador Felicio Pontes, do MPF do Pará, em 2011, defendendo os direitos do rio Xingu. Ele fala sobre essa ação, e temos ainda a participação de Mario Rodriguez, educador boliviano, que explica como na Bolivia a pressão indígena incluiu esses direitos na Constituição do país. Por fim, temos ainda a participação da Claudia Pino, que fala da luta das comunidades tradicionais no Pantanal

Episódio 11, 24.10.2020
Este Banzeiro fala dos chamados Planos de Vida, os projetos de reconstrução da vida das pessoas que foram impactadas por Belo Monte. Recolhe os sonhos e desejos de representantes dos pescadores, ribeirnhos, agricultores, garimpeiros artesanais e moradores da cidade, e explica que os Planos de Vida não tem que seguir um modelo imposto de fora. Discute as armadilhas do chamado “desenvolvimento” e fala como é importante que cada comunidade reconstrua sua vida a partir de suas raízes

Episódio 12, 31.10.2020
O Banzeiro dessa semana destaca a Ação Civil Pública da Defensoria Pública do Estado exigindo que a Norte Energia retome o cumprimento de uma das condicionantes da Licenã de Operação, de entregar barcos, motores e tralhas de pesca pra pescadores e ribeirinhos do reservatório e do trecho da vazão reduzida do Xingu. Também cobra da empresa um plano pra garantir a soberania alimentar dessas famílias

9 COMENTÁRIOS

  1. Olá,

    Fui um dos antropólogos responsáveis pela elaboração do Componente Indígena dos Índios Citadinos da cidade de Altamira e regiao de Volta Grande do EIA da UHE Belo Monte.

    Gostaria muito que nossos relatórios pudessem estar também na íntegra na página de vocês.

    É uma pena que não estejam: nossas análises e proposições de condicionantes são muito mais detalhadas e duras para com o empreendimento do os pareceres da Funai, do IBAMA e do Painel Independente deram a entender.

    Vocês podem encontrá-los na íntegra no próprio site do IBAMA.

    abçs

    luis roberto

  2. É lamentável a posição do governo Brasileiro que com tantos meios de se produzir energia alternativas de forma 100% limpa e renovável e nós, sustentamos esse projeto hipócrita e ultrapassado…

  3. pode até ter muita água no pará mas com as consequências que a construção irá trazer não vai valer a pena.
    existem outros modos de obter energia sem prejudicar tanto o meio ambiente..

  4. Queria poder ajudar de alguma maneira!
    Sou Engenheira Ambiental e sei que o impacto gerado será irreversível! Além do mais o Brasil não está preparado para essa situação….já temos tantos problemas sem solução, qdo nossos governantes vão parar de arrumar novos problemas e solucionar os já existentes?????????!!!!!!!!!!!!!
    Alexandra

  5. O assunto em questão já demonstra os impactos negativos que trará a sociedade e todo meio ambiente.
    Ignorando todos os indicativos o projeto continua a quase caindo no esquecimento da mídia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*