Início Notícias Cartas a Dilma e Serra pedem posicionamento sobre Belo Monte

Cartas a Dilma e Serra pedem posicionamento sobre Belo Monte

Nesta terça, 26 de outubro, o movimento Xingu Vivo para Sempre, coalizão de mais de 250 organizações e movimentos sociais que se opõem à construção de Belo Monte, enviou às candidaturas de Dilma Rousseff e José Serra uma carta solicitando que exponham seus projetos no tocante à polemica hidrelétrica.

A usina de Belo Monte tem sido um dos temas ambientais de maior destaque no segundo turno, e foi incluída pela candidata do PV, Marina Silva, entre as os pontos programáticos apresentados ao PT e ao PSDB. Apesar disso,  os movimentos sociais e indígenas do Xingu consideraram esquivos os posicionamentos de Dilma e Serra,  principalmente diante dos problemas e pendências sociais, ambientais e judiciárias que o cercam.

Leia a íntegra do documento:

Altamira, 26 de outubro de 2010

Car@ candidat@

Na corrida eleitoral deste ano de 2010, vimos como extremamente salutar os resultados das urnas no primeiro turno: o povo brasileiro quer discutir melhor os projetos de governo e o seu futuro nos próximos quatro anos, e está cobrando dos candidatos presidenciais que evidenciem seus posicionamentos referentes a várias questões.

Entre os temas que têm ocupado maior espaço no debate nacional – e não eleitoral -, sem dúvida está a questão socioambiental. E, com destaque especial, o polêmico projeto de construção da mega-hidrelétrica de Belo Monte no rio Xingu, no Estado do Pará.

O Movimento Xingu Vivo para Sempre  reúne mais de 250 organizações da região de Altamira e do estado do Pará, representando milhares de agricultores, ribeirinhos, indígenas e moradores urbanos ameaçados pela hidrelétrica de Belo Monte. Também inclui entre seus membros alguns dos mais respeitados especialistas em energia e meio ambiente do país (acadêmicos, cientistas e ONGs que acompanham os planos para a construção de hidrelétricas no Xingu desde a década de 1980). Trata-se do fórum da sociedade civil que maior autoridade tem para falar dos riscos e impactos negativos que o empreendimento teria sobre o rio e seus moradores.

Imbuídos desta legitimidade, declaramos ser mentirosa a afirmação de que o projeto de Belo Monte foi amplamente discutido com a população brasileira e, em especial, com os povos do Xingu. Nenhum argumento contrário à obra, apresentado pelas lideranças sociais e indígenas e por especialistas acadêmicos, foi levado em conta pelo governo; audiências públicas ou foram ignoradas, como as de Brasília, ou, no Pará, foram uma farsa, contestada por Ação Civil Pública do Ministério Público Federal; previstas pela Constituição, as oitivas indígenas nunca foram realizadas, ferindo não apenas a Carta Magna, mas convenções internacionais, como a  Resolução 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Farsa também foi o licenciamento da hidrelétrica, que, apesar de recomendação contrária da equipe técnica do Ibama, teve a Licença Prévia concedida em fevereiro passado sob forte pressão política, que levou à demissão do diretor de licenciamento do órgão.  Até outubro deste ano, das 40 condicionantes da Licença Prévia , nove não foram realizadas, duas foram realizadas parcialmente e sobre as demais não há informações. Das 26 exigências da Funai incluídas nas condicionantes da LP, que prevêem ações como demarcação de Terras Indígenas e retirada de não-índios das áreas demarcadas, entre outros, 14 não foram realizadas, duas foram realizadas parcialmente e uma foi publicada. Sobre as demais não há informações. Apesar disso, e contrariando a lei, o Ibama já mencionou a liberação de uma “licença de instalação provisória”,  inexistente na legislação ambiental brasileira, que daria ao Consórcio Norte Energia o direito de iniciar as obras ainda em 2010.

Até o presente momento, o processo de planejamento e licenciamento de Belo Monte descumpriu tanto as normas legais quanto outras responsabilidades do empreendedor, o que não deixa dúvidas de que novas  “promessas” de cumprimento da lei ou de mitigações nada valem. Por uma simples razão: Belo Monte seria um desastre social, econômico e ambiental sem possibilidade de “consertos”.

Porque construir, a um custo que pode chegar a R$ 30 bilhões, com recursos públicos que sairão do bolso dos contribuintes, uma usina que só produzirá uma média de 39% de sua capacidade instalada? O que justifica destruir a vida de mais de 40 mil ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas, sob um falso pretexto de que nossas vidas são o preço pago pelo desenvolvimento do país? Que desenvolvimento é esse que quer exportar energia e minérios, gerando pouco emprego e deixando destruição? Por acaso somos menos cidadãos, merecemos menos respeito, do que os brasileiros das grandes cidades e donos de grandes empresas eletro-intensivos apenas porque, longe dos holofotes da mídia, vivemos no rio, do rio e do que nos dão as nossas matas?

Lhe escrevemos tudo isso porque gostaríamos que nos dissesse de forma clara e sem rodeios como tratará a questão de Belo Monte, e quais os argumentos que usará para justificar a sua posição.

Lhe afirmamos, no entanto, por tudo que nos é mais caro, pela responsabilidade que temos pela vida do Xingu e de nossas futuras gerações, pela consciência que temos de nosso valor, de nossa dignidade e de nossa cidadania, que continuaremos a lutar por justiça e por um modelo de desenvolvimento que realmente nos inclua e nos atenda, hoje e sempre.

Atenciosamente,

Antônia Melo
Coordenadora do Movimento Xingu Vivo para Sempre

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Um balanço da situação da Amazônia sob Bolsonaro em tempos da Covid 19

Por Rosa AcevedoNesse momento, alguém morre e será enterrado como mais uma nova vítima da COVID 19 na Amazônia. Milhões sentem os...

Protesto contra Norte Energia na Transamazônica termina com demandas enviadas ao MPF

Depois de cinco dias de ocupação e trancamento da Transamazônica na altura do km 27, a manifestação de pescadores, ribeirinhos, agricultores e...

Amazon Communities Protest to Maintain the Xingu River Alive

Foto: Lilo Clareto This Monday morning (11/09), over 150 representatives of fishermen, riverbank communities, family farmers and the...

Comunidades de 5 municípios trancam a Transamazônica por liberação de água no Xingu

Na manhã desta segunda, 9, cerca de 150 pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas Curuaya e Xipaya dos municípios de Altamira, Senador...