Início Notícias Impasse continua e operários podem entrar em greve

Impasse continua e operários podem entrar em greve

Impasse continua e operários podem entrar em greve (Foto: Ruy Sposati)

Continua o impasse entre os trabalhadores e a empresa Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) no canteiro de obras da usina, em Altamira. A reunião que estava prevista para acontecer na manhã de ontem (10), foi adianta para esta quinta-feira (12) (Diário do Pará, 11.0402012).

Caso não haja o encontro entre as partes, a categoria promete paralisar novamente as obras na próxima sexta-feira (13).

Segundo Fábio de Souza Silva, integrante da comissão de greve dos operários, a empresa não compareceu às reuniões, que sofreram frequentes adiamentos. “Não sabemos o motivo da não realização dessa reunião, só nos informam que não poderá acontecer. O que estava marcado para acontecer ontem de manhã foi adiado para tarde, depois para hoje de manhã, novamente para tarde, e agora foi marcado somente para amanhã às 9h. Se até quinta nada for resolvido, vamos parar”, disse Fábio.

A comissão de greve foi informada que até o final da tarde de hoje, um procurador do Ministério Público estaria chegando na cidade, o que não aconteceu. Um grupo de trabalhadores vão se reunir ainda nesta noite com um advogado para debater sobre as reivindicações da categoria.

REINVIDICAÇÕES

Os operários estão lutando pela redução da baixada (visita das famílias), de 6 meses para 3, a inclusão dos ajudantes de produção nessa baixada, que não possuem o benefício; aumento no valor do vale-alimentação de R$ 95 para R$ 300, melhoria nos transportes (troca de ônibus), revisão de salários (equiparação salarial) e cumprimento de cláusulas do acordo coletivo.

OUTRO LADO

A Consórcio Construtor Belo Monte afirma que compareceu a todas as reuniões e afirmou que todos os adiamentos foram decididos em comum acordo. De acordo com a assessoria de imprensa da CCBM, o prazo dado para as negociações é até o próximo dia 16 e que até lá, o impasse deverá ser resolvido. A assessoria confirmou ainda a presença da empresa na reunião de amanhã.

1 COMENTÁRIO

  1. Sou totalmente contra a construção da Belo Monte.
    Mas, já que a empresa Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) está contratando pessoas para essa obra, então que pelo menos reconheça o esforço desses trabalhadores e os valorize como seres humanos. Isso aí já está parecendo escravidão! O que é isso? Direito a ver a família só a cada 6 meses? Até os presidiários têm mais acesso aos familiares do que estes trabalhadores. Um vale-alimentação de R$ 95,00 – isso equivale a uma única refeição por dia, e de péssima qualidade com certeza. Pára né, isso é um absurdo, mas infelizmente é o mundo que a gente vive! Pessoas que se dizem "grandes empresários" lucrando cada vez mais em cima daqueles que dão o lucro pra eles (que são os próprios trabalhadores), que se submetem a esse tipo de trabalho às vezes uma boa qualificação profissional. Mas isso não justifica essa barbaridade. Onde está o respeito à dignidade humana? Coloquem a mão na consiência né.

Deixe uma resposta para Vanessa Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Podcast BANZEIRO – as informações atualizadas que interessam ao povo atingido por Belo Monte no Médio Xingu

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, que tem abordado assuntos, temas e...

Regulação da CFURH: controle social e destinação para as famílias afetadas pela usina de Belo Monte

Desde que a usina de Belo Monte começou a gerar energia comercialmente, em abril de 2016, em concordância com a legislação nacional...

Prefeitura de Altamira propõe regulamentação de Royalties de Belo Monte. Movimentos cobram participação e MPs endossam

Por Verena GlassDesde que Belo Monte começou a gerar energia comercialmente, em abril de 2016, a empresa Norte Energia, concessionaria da usina,...

Nota de solidariedade ao povo Munduruku

O Movimento Xingu Vivo para Sempre quer expressar sua solidariedade ao povo Munduruku, sua indignação contra o cotidiano de violência a que...