Início Notícias Sobre a decisão do Desembargador Mário César Pinheiro, Presidente do TRF-1,...

Sobre a decisão do Desembargador Mário César Pinheiro, Presidente do TRF-1, que mantém um quadro de ilegalidades em Belo Monte

O Presidente do TRF-1, Mário César Pinheiro, utilizou, de forma ilegal, um artifício com origens no período da ditadura militar, para suspender a decisão liminar do Desembargador Souza Prudente, do mesmo tribunal, com o objetivo de atender pedido da AGU para manter as obras de Belo Monte a todo custo, ignorando o grave quadro de violação de direitos humanos e descumprimento de condicionantes das licenças ambientais do empreendimento.

A decisão do Desembargador Souza Prudente tem suas origens numa Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público Federal no Estado do Pará em janeiro de 2011, contra a expedição pelo então Presidente substituto do IBAMA de uma Licença de Instalação (LI) “Parcial” – figura inexistente na legislação ambiental brasileira –  em função do descumprimento generalizado de condicionantes da Licença Prévia no. 342, concedida em fevereiro de 2010. Estas condicionantes eram uma pré-condição para a concessão de LI e o inicio das obras de Belo Monte.  A LI parcial, concedida sob forte pressão política do núcleo duro do Governo Dilma, com o objetivo de adiantar o cronograma de obras de acampamentos e estradas de acesso, desconsiderou por completo um parecer da própria equipe técnica do IBAMA.

A referida Ação Civil Pública do Ministério Público Federal do Pará recebeu uma liminar favorável em primeira instância da Justiça Federal, obrigando o cumprimento efetivo de condicionantes da Licença Prévia, antes da emissão de nova licença, enquanto denunciou a inexistência legal da figura de uma “Licença de Instalação Parcial”.  Poucos dias depois, esta decisão liminar foi suspensa unilateralmente pelo então Presidente do TRF-1, Olindo Menezes, a pedido da AGU, utilizando o artificio autoritário da “Suspensão de Segurança”, com argumentos equivocados sobre a iminência de um caos social e econômico no país, se atrasasse o cronograma de obras de Belo Monte.  O que se vê hoje, de fato, é que a falta de cumprimento de condicionantes das licenças ambientais por parte da Norte Energia, S.A, com a complacência das presidências do IBAMA e de tribunais federais, está contribuindo para um quadro de caos social na região de Altamira (PA) que se agrava a cada dia.

No dia 25 de outubro, o Desembargador Souza Prudente, atendendo apelação e pedido de antecipação de tutela do Ministério Público Federal, revogou uma sentença do Juiz Artur Pinheiro Chaves da 9a Vara de Belém, que extinguiu de forma equivocada o processo instaurado pela referida Ação Civil Pública, supostamente por perda de objeto.  A decisão monocrática do Desembargador Souza Prudente demonstrou claramente que a relevância da ação, uma vez que a LI parcial foi transformada numa LI “completa” (LI 795) em julho de 2011, e considerando a necessidade urgente de se corrigir um quadro insustentável de irregularidades, em que graves pendências de cada fase do licenciamento são remetidos, sob pressão política, para fases subsequentes, e acabam nunca sendo sanadas.

A maior prova disso é a realidade hoje da região de Altamira, onde os impactos sociais e ambientais de Belo Monte – associados aos descumprimento de condicionantes da Licença Prévia e da Licença de Instalação – são visíveis para todos na precariedade dos serviços públicos de saúde, educação saneamento básico, , segurança pública, transporte, e moradia, na piora de qualidade de vida e desrespeito aos direitos dos povos indígenas, pescadores, agricultores familiares, moradores urbanos, e outras populações atingidas, gerando conflitos e protestos cada vez maiores.

A decisão de ontem do Presidente do TRF-1, Desembargador Mário César Pinheiro, que suspendeu unilateralmente a decisão do Desembargador Souza Prudente, para atender o pedido da AGU sem ouvir o Ministério Público Federal e outras partes interessadas, teve como objetivo a manutenção das obras Belo Monte a qualquer custo.  Entretanto, a decisão utilizou argumentos juridicamente falhos.

A Suspensão de Liminar, ou Suspensão de Segurança, é um mecanismo com origens no período da ditadura militar que permite que decisões judiciais baseadas na lei possam ser ignoradas pelo governo, com base em argumentos políticos e econômicos, necessitando apenas do aval do presidente do tribunal.  Os membros dos tribunais são escolhidos pelo Presidente da República. A promoção de Desembargadores a Ministros de tribunais superiores depende do governo. Uma visita da AGU ao gabinete desses presidentes de tribunais, portanto, é muito persuasiva, e não pelos motivos mais nobres. A sociedade brasileira não pode aceitar que argumentos políticos, utilizando para defender os interesses de grupos políticos e grandes empresas, prevaleçam sobre decisões baseadas na legislação sobre os direitos humanos e a proteção ambiental.  Numa democracia, todos temos que respeitar as leis e o Estado de Direito, sem exceções para os poderosos encastelados no judiciário.

Clique aqui para ler a nota do Xingu Vivo sobre o processo

 

1 COMENTÁRIO

  1. Isso e um absurdo!!! como estudante de Direito, tenho vergonha dos que esto sentadinhos nas suas cadeiras de desembargadores e que aceitam o errado mesmo vendo como prejudicam esses povos e o meio em que vivem. puro interesse publico.
    Brasil mostra tua cara…… luta pelo certo, pelo justo.

Deixe uma resposta para veronica Rocha Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*


Últimas notícias

Protesto contra Norte Energia na Transamazônica termina com demandas enviadas ao MPF

Depois de cinco dias de ocupação e trancamento da Transamazônica na altura do km 27, a manifestação de pescadores, ribeirinhos, agricultores e...

Amazon Communities Protest to Maintain the Xingu River Alive

Foto: Lilo Clareto This Monday morning (11/09), over 150 representatives of fishermen, riverbank communities, family farmers and the...

Comunidades de 5 municípios trancam a Transamazônica por liberação de água no Xingu

Na manhã desta segunda, 9, cerca de 150 pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores e indígenas Curuaya e Xipaya dos municípios de Altamira, Senador...

Banzeiro, o novo podcast do Movimento Xingu Vivo

A partir de julho de 2020, o Movimento Xingu Vivo para Sempre passa a produzir o podcast Banzeiro, para falar de coisas...